As transformações do Vale do Anhangabaú – Parte I

O Vale do Anhangabaú, considerado o divisor do Centro antigo do centro novo, é uma das regiões que mais se transformaram em São Paulo. Abaixo a parte 1 destas transformações, documentada em imagens desde 1890 até os dias de hoje. A maior parte das observações é realizada da região do Viaduto Santa Efigênia, portanto sentido Norte-Sul.

O Edifício Matarazzo, atual sede da Prefeitura de SP, e o Edifício dos Correios, são os melhores guias na maior parte da imagens.

Edifício Matarazzo, atual sede da Prefeitura de São Paulo

Edifício Palácio Central dos Correios


O início:

Vale do Anhangabaú em 1890 com plantações de chá e agrião, pertencentes ao Barão de Itapetininga e depois a Baronesa de Itú. Ao centro o córrego Anhangabaú. Ao fundo o primeiro viaduto do chá

Vista do viaduto do chá em sentido a atual praça da bandeira, ainda com plantações de chá. À direita seria a hoje Rua Formosa e o edifício Alexandre Mackenzie (Shopping Light). Cenário de 1908

Demolição de parte das construções e das plantações num cenário de 1912, próximo a praça da bandeira. À direita se tornaria a Rua Formosa.

Esta é a Rua Anhangabaú com parte do córrego canalizado e com construções centrais, com destaque ao fundo da construção do famoso Cine Central/Delegacia Fiscal. À direita e na parte inferior estaria a atual Praça do Correio. (ano de 1915)

Rua Anhangabaú repleta de construções que serão demolidas (na parte direita) para a extensão do Vale do Anhangabaú, tendo ao fundo em destaque o edifício do Cine Central/Delegacia Fiscal

Em 1925 parte do vale chamava-se Jardim Anhangabaú, tendo ao fundo o viaduto do chá e com todo o córrego Anhangabaú canalizado. À esquerda estes palacetes, serão substituídos pelos Edifícios Conde Prates, Grande SP e Mercantil Finasa.

Cena de 1926 do Jardim Anhangabaú, que viraria Vale do Anhangabaú. No centro o viaduto do Chá (sua primeira construção)

O Vale do Anhangabaú projetado e imaginado pelo Prefeito Prestes Maia, em 1939

Vale do Anhangabaú em 1939, tendo ao fundo o novo viaduto do Chá totalmente em concreto. À esquerda em destaque a construção do Edifício Matarazzo, atual sede da Prefeitura de SP.

Aqui em 1940 vemos ao fundo o vale do Anhangabaú e sua continuação como rua de mesmo nome, com o Cine Central/Delegacia Fiscal à direita. Neste local será construído o famoso “buraco do Ademar” – cruzamento com a Av. São João

Nesta cena em 1943, os antigos jardins do Anhangabaú já se converteram em vias rodoviárias

Aqui ainda em 1947 vista do Cine Central/Delegacia Fiscal, Correios à direita numa vista do Viaduto Santa Efigênia. O prédio do Cine Central e as demais construções do Vale serão demolidas para a construção do “Buraco de Ademar” e extensão rodoviária do Vale do Anhangabaú

Ainda em 1947 a demolição do Cine Central/Delegacia Fiscal, e a preparação do terreno para a ampliação viária do Vale no sentido da região Norte. À direita a Rua Anhangabaú e a esquerda o Edifício dos Correios.

Cena de 1948, sem o cine Central/Delegacia Fiscal e com o inicio da montagem do canteiro de obras, para continuar a construção viária em direção à Zona Norte

Construção da passagem subterrânea (buraco do Ademar) no cruzamento com Av. São João, tendo a direita o prédio dos correios e praça de mesmo nome. Ano 1950

Aqui em 1952, o Vale totalmente rodoviário, com a passagem subterrânea no cruzamento da Av. São João, o chamado “Buraco do Ademar”, local onde antes existia o Cine Central/Delegacia Fiscal

Vista de todo o Vale, fotografado do viaduto Santa Efigênia. Final dos anos 60

Vista de todo o Vale, fotografado do viaduto Santa Efigênia. Ano de 1974

Aqui em 1988, o inicio do das obras de tornar o sistema rodoviário totalmente subterrâneo, túneis que ficaram conhecidos como o “buraco  do Jânio” uma alusão ao seu realizador, então Prefeito de São Paulo, Jânio Quadros

Vista de todo o Vale do Anhangabaú, com a parte rodoviária toda subterrânea, e com a volta dos jardins (boulevard Anhangabaú). À esquerda um dos lados (que sobrou) da antiga Rua Anhangabaú, e a direita o centenário edifício dos Correios (Ano 2008).

Vista de todo o Vale do Anhangabaú, com a parte rodoviária toda subterrânea, e com a volta dos jardins (Boulevard Anhangabaú). Ano 2009

Vista área de todo o Vale do Anhangabaú, à noite em 2010, com a praça do correio a direita

O Anhangabaú nos dias de hoje, com o Prédio dos Correios à direita. Tendo como referência o Viaduto do Chá (ao fundo) compare com 1890:


Nota :

O nome Anhangabaú, possui várias interpretações, todas apontando para o caráter suspeito de suas águas:

  • Anhangaba do Tupi diabrura, malefício, ação do diabo ou feitiço;
  • Anhangabahú do Tupi anhangaba-y, rio do malefício, da diabrura, do feitiço;
  • Anhangabahy que no tupi é o mesmo que anhangá-y, rio ou água do mau espírito.

Links Relacionados:

A perda de um Tesouro

Arquivo Histórico de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo


Updated: 30/09/2020 — 7:28 pm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *