Helicópteros tornaram-se um dos recursos de mobilidade urbana, claro restrito a poucos, mas o fato é que há algo a mais nesta identidade de SP com sua frota aérea.

Grandes congestionamentos, milhões de veículos todos os dias nas ruas, mas a cidade não é a mais congestionada do mundo, segundo estudo da IBM.

Ocupamos a 6ª colocação no estudo, atrás de Beijing, Cidade do México, Johannesburgo, Moscou, Nova Delhi e a frente de Milão, Buenos Aires, Madri e Londres (pelo menos até a entrada do Haddad, que sem planejamento e estudos de impacto urbano tem “espremido” veículos que não são ônibus em várias vias públicas da cidade)

Mas em relação aos voos aéreos acabamos de superar NY. Há inúmeros usuários, desde executivos, milionários, turistas estrangeiros e nacionais, além do uso em serviços de emergências e pelos vários canais de imprensa, todos concorrendo para mostrar sempre a situação caótica da cidade, apenas para citar os serviços mais importantes.

A situação atingiu proporções monstruosas, pois São Paulo é a cidade com a maior movimentação desse tipo de aeronave no mundo, e também com a maior frota: 500 helicópteros. Em média, a cada 45 segundos um helicóptero decola ou pousa.

No Brasil há uma frota de 1.909 helicópteros, incluindo os 692 no Estado de São Paulo, com uma média de mais de 350 licenças de operação emitidas anualmente.

Todos os dias ricos empresários, celebridades, turistas e prestadores de serviços, etc cruzam o céu de São Paulo, alheios ao trânsito caótico da cidade. Entre as viagens estão aqueles que transitam entre seus condomínios de luxo, suas reuniões de trabalho e suas casas na praia ou no campo.

O negócio dos helicópteros no Brasil cresceu 20% nos últimos anos, e claro SP é o grande estimulador disto, pois há na cidade e região metropolitana usuários de poder aquisitivo que podem se dar o luxo por exemplo, de alugá-los por US$ 1.300 a hora.

Dado recente mostra que há cerca de mais de 2.000 voos diários de helicóptero em São Paulo, que tem entorno de 193 helipontos, distribuídos quase na sua totalidade nos altos dos edifícios.

A capital paulista alcançou portanto, todas as dimensões de crescimento, junto claro com a conquista de maior frota e número de operações por asas rotativas entre cidades do mundo.

Isto tudo obrigou já em 2004 por parte da Aeronáutica, a construção de um Centro de Comando exclusivo, só para estas aeronaves, cuja missão é controlar a crescente malha aérea e seu tráfego, monitorando e recorrendo a restrições como as implementadas para os automóveis.

Segundo pesquisa, até o presente momento, 500 aeronaves foram registradas em São Paulo e as operações de pousos e decolagens podem chegar a 2.200/por dia. Nesse ranking, Nova York ganhou a 2ª posição e Tóquio, garantiu o 3º lugar.

Este número de recordes mostra o potencial da cidade conforme dados que foram colhidos entre sete organizações internacionais.

Isto faz a cidade ser mais um destaque internacional, conforme canais de mídia noticiam:

Os helicópteros em São Paulo se tornaram os táxis da elite”, segundo o jornal britânico Financial Times.

´Helicópteros transformam São Paulo em ‘cidade dos Jetsons’, diz ‘Guardian’

Segundo jornal, o número de helicópteros sobrevoando São Paulo e o tráfego aéreo transformaram a cidade em um “episódio real sul-americano do (programa de TV) The Jetsons”, diz uma reportagem de página inteira publicada pelo The Guardian.

O jornal explica que, por causa do alto número de moradores e carros circulando na cidade, que causam engarrafamentos de até 200 quilômetros, os ricos executivos, banqueiros e empresas jornalísticas, entre outras, estão optando pelo helicóptero como meio de transporte. Veja também o destaque da CNN:

“O caso de amor de São Paulo com helicópteros começou em 1994, depois da introdução de um plano econômico do governo que atrelou a nova moeda brasileira ao dólar. O resultado foi a repentina entrada de helicópteros feitos nos Estados Unidos. Em meados de 90, a gigante americana de helicópteros Bell chegou a introduzir cursos de treinamento para pilotos em português, por causa do aumento da demanda no Brasil.”

Para completar os recordes e os problemas, São Paulo tem setenta vezes mais helipontos que a cidade de Nova York, que agora passam a revelar um verdadeiro congestionamento aéreo, obrigando as autoridades a medidas restritivas.

Helipontos são uma grande oferta principalmente nos edifícios de grandes organizações, hospitais, universidades...

Helipontos são uma grande oferta principalmente nos edifícios de grandes organizações, hospitais, universidades…

Mas já dá para rotular que os helicópteros, são a mais nova cara de São Paulo, ou como diria o jornal “Estado de São Paulo”, é mais uma “paulistice”.


Vídeos:

  • Jornal da Band – Copyright © 2009-2013 Grupo Bandeirantes de Comunicação
  • CNN – © 2013 Cable News Network.
  • Rede Record – R7 © 2009-2013 Rádio e Televisão

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus