Tag: Jakub Scholtz

Planeta 9, um buraco negro ?

Coisas estranhas estão acontecendo na borda do nosso sistema solar. Vários corpos rochosos grandes, principalmente asteróides e cometas no Cinturão de Kuiper, estão lançando-se ao longo de uma órbita ímpar perpendicular à maioria das órbitas do sistema solar.

“É muito provável que algo os mantenha nessas órbitas”, disse o físico teórico Jakub Scholtz, da Universidade de Durham. Que algo poderia ser um buraco negro

Os astrônomos há muito consideram a existência de um nono planeta misterioso, que orbita o sol muito além de Netuno e Plutão. Em 2016, Mike Brown (que demitiu Plutão) e Konstantin Batygin sacudiram a comunidade científica quando publicaram seu artigo inovador , que propunha a existência de um corpo planetário nos confins do sistema solar, apelidado de Planeta 9.

O hipotético Planeta Nove, supostamente espreitando em algum lugar nos arredores de nosso sistema solar, pode não ser um planeta. Uma nova teoria radical, ou seja um novo estudo, publicado em 24 de setembro de 2019, no servidor de pré-impressão arXiv, sugere que talvez não seja um planeta, afinal. Em vez disso, o objeto misterioso que ainda precisa ser descoberto seria um buraco negro primordial, um objeto tão compacto que poderia caber dentro da palma da mão.

Buracos negros primordiais (em, sigla PBHs) são buracos negros antigos e relativamente pequenos que surgiram logo após o Big Bang. Pensa-se que eles foram formados como resultado de flutuações de densidade no universo primitivo. Acredita-se que PBHs com a menor massa provavelmente já tenham evaporado. No entanto, aqueles com massas maiores ainda podem existir, evaporando na época atual – mesmo que nunca tenham sido observados diretamente.

Os astrônomos Jakub Scholtz e seu colega James Unwin, da Universidade de Illinois, em Chicago, assumem que os PBHs poderiam residir ainda mais perto de nós do que pensamos. No artigo publicado recentemente, eles ponderam sobre a possibilidade de que o misterioso Planeta Nove, teoricamente orbitando o sol a uma distância entre 300 e 1.000 UA, possa ser um buraco negro tão antigo e altamente compacto.

NAGUALDESIGN / WIKIMEDIA COMMONS

Até agora, apenas vislumbramos três tipos de buracos negros: buracos negros de massa estelar, buracos negros de massa intermediária e buracos negros supermassivos, como o do centro da galáxia M87. Como dito, acredita-se que muitos buracos negros primordiais com massas extremamente pequenas tenham se evaporado logo após o big bang.

Explicando sua hipótese intrigante, esses pesquisadores se concentram em duas anomalias gravitacionais não resolvidas de massa semelhante: órbitas anômalas de objetos trans-Netunianos (TNOs) e um excesso de eventos denominados microlentes. O interessante é que ambos os eventos são devidos a objetos com massas estimadas entre 0,5 e 20 massas terrestres.

Presume-se que as anomalias das órbitas do TNO sejam desencadeadas por uma nova fonte gravitacional no sistema solar externo. Embora seja amplamente aceito que essa fonte possa ser um planeta flutuante, Scholtz e Unwin argumentam que o cenário PBH não é irracional e deve ser levado em consideração.

“A captura de um planeta flutuante é uma das principais explicações para a origem do Planeta Nove, e mostramos que a probabilidade de capturar um PBH é comparável”, escreveram os astrônomos no jornal.

No entanto, poderia ser difícil confirmar essa teoria, pois um PBH hipotético, com uma massa de cerca de cinco massas terrestres e um raio de cerca de cinco centímetros, teria uma temperatura de aproximadamente 0,004 K, tornando-o mais frio que o microondas cósmico de fundo (CMB). Portanto, a energia irradiada apenas por um PBH típico é minúscula, o que dificulta a detecção.

Para superar esse obstáculo, os autores do artigo propõem procurar sinais de extinção do “microhalo” da matéria escura ao redor de um PBH. Acredita-se que tal halo de matéria escura, se extintas, seja capaz de fornecer um sinal poderoso que possa ser identificado por observações. Portanto, os astrônomos sugerem pesquisas dedicadas a fontes móveis em raios X, raios gama e também outros raios cósmicos de alta energia, o que poderia fornecer mais evidências apoiando a hipótese PBH.

Para um leigo, a simples idéia de existir um buraco negro em nosso quintal solar, remete a medo, mesmo que seja um PHO, que esteja em evaporação, como diz os estudos. Se onde ele está hoje pela suposição do estudo, causa tantas perturbações naquela região tão distante, te-lo mais próximo por qualquer ocorrência ou fenômeno astronômico seria assustador.

Mas os astronômos dizem para ficarmos tranquilos. Não ameaçaria a vida como a conhecemos. “A essa distância, o buraco negro age gravitacionalmente, como um planeta frio”, diz Scholtz. “Ele tem zero influência na Terra.”

Uma simulação mostra os efeitos das lentes gravitacionais de um buraco negro passando na frente de uma galáxia e distorcendo sua luz. (Imagem por Urbane Legend).

Em vez disso, poderia realmente ajudar a resolver alguns dos maiores mistérios da vida. Buracos negros primordiais testemunharam a criação de algumas das partículas mais misteriosas do universo. Por exemplo, o cálculo da teoria sugere que os buracos negros primordiais teriam sido criados no momento em que o universo estivesse na temperatura certa para ser sensível à física do bóson de Higgs, diz Scholtz, tão discutida e pesquisada atualmente pelo CERN

Se este buraco negro hipotético existir, e for algo que possamos visitar, poderá revolucionar nossa compreensão do universo.

Pode até haver alguns benefícios práticos em ter nosso próprio buraco negro primordial no bairro. “Temos muitos resíduos nucleares problemáticos, e esse é um bom lugar para descartá-los”, brinca Unwin. (claro que Scholtz e Unwin admitem que o lançamento de resíduos nucleares da atmosfera da Terra apresenta problemas próprios.) “Talvez não seja o melhor plano, mas é um pensamento divertido”, diz Scholtz.

Em última análise, eles argumentam, estão simplesmente promovendo uma mente aberta. “Ao dizer que é um planeta e procurar por ele como se fosse um planeta, você está limitando as ferramentas que usa para realmente procurar por isso”, diz Unwin.


Bibliografia/Fontes:

  • Scholtz, Jakub & Unwin, James – https://arxiv.org/pdf/1909.11090.pdf
  • Nowakowski, Tomasz – Planet Nine could be a primordial black hole…,Phys.org/Sciencex – Douglas/UK – Sept2019
  • Leman, Jennifer – If Planet 9 Is Actually a Black Hole, It Completely Changes How We Understand Our Universe, Popmech/Hearst – NY, Oct2019

Updated: 05/05/2020 — 7:27 pm