Um estudo divulgado por Dave Mosher do Business Insider, apresenta uma simulação de como seria o impacto de bombas termonucleares norte coreanas em algumas das maiores cidades dos Estados Unidos, então alvo predileto do maluco e rancoroso ditador norte-coreano.

O estudo usa as ferramentas do Google Earth Pro para 3D para ilustrar cada cenário da Nukemap, ferramenta esta já utilizada pelo blog em simulação semelhante para São Paulo (http://netleland.net/sao-paulo/simulacao-do-terror-bomba-nuclear-em-sao-paulo.html).

Não restam dúvidas que armas nucleares podem ser as criações mais aterradoras da humanidade, mas a maioria das pessoas teria dificuldade em dizer o que, exatamente, tal explosão poderia fazer para sua cidade, região. Como mencionado, para ajudar o público a lidar com ameaças nucleares, Alex Wellerstein, historiador da ciência no Stevens Institute of Technology, criou o Nukemap (http://nuclearsecrecy.com/nukemap/), um simulador interativo que permite que você simule as consequências da explosão de uma arma nuclear em qualquer lugar do mundo mapeado pelas ferramentas digitais. Uma atualização recente do simulador permite até que se preveja onde nuvens de precipitação radioativa podem derivar com base nas condições climáticas atuais.

Como afirma o historiador: “Uma compreensão realista do que as armas nucleares podem e não podem fazer é necessária para qualquer discussão que as envolva”, disse Wellerstein anteriormente ao Business Insider. “As pessoas tendem a ter opiniões errôneas das armas, de seu poder ou subestimar o seu real poder”.

Dado o crescente interesse público nos programas de testes de mísseis balísticos intercontinentais da Coréia do Norte e do artefato Wellington, Wellerstein adicionou recentemente a explosão subterrânea de 3 de setembro do país, ainda mais poderosa, a uma lista de opções predefinidas do Nukemap. O dispositivo incluído é uma bomba termonuclear, que produziu uma explosão de aproximadamente 150 kilotons de TNT. Isso é cerca de 10 vezes mais forte do que a explosão de bomba de Hiroshima de 1945, que infligiu cerca de 150 mil vítimas.

Embora um míssil nuclear não tenha atingido os EUA ainda, mas a retórica norte coreana continua, há que as baixas são notoriamente difíceis de precisar, mas as imagens abaixo mostram o que poderia acontecer se uma bomba de 150 kilotons (do tipo W-80 ou as testadas pela Coreia em 2017) atingisse grandes cidades americanas nestas simulações.

Escolheu-se as 10 cidades seguintes porque são as mais densamente povoadas e as classificamos com base em perda de vida estimada:

Aqui está o significado das cores do resultado da explosão dado pelo Nukemap:

  • Amarelo: bola de fogo (0,56 milhas de largura, 1,03 milhas de altura) – Na área mais próxima do local de detonação da bomba, as chamas incinerariam a maioria dos edifícios, objetos e pessoas.
  • Verde: radiação (1.24 milhas de largura) – A gama de bombas nucleares e outras radiações são tão intensas nesta zona que 50% ou mais morrem em “várias horas até várias semanas”, de acordo com Nukemap.
  • Azul-cinza: explosão de ar (4,64 milhas de largura) – Isso mostra uma área de explosão com 5 libras por polegada quadrada de pressão, que é poderosa o suficiente para colapsar a maioria dos edifícios residenciais e ferir os tímpanos. “As injúrias são universais, as fatalidades são generalizadas”, diz o Nukemap.
  • Laranja: radiação térmica (6,54 milhas de largura) – Esta região é inundada com luz ultravioleta abrasadora de pele, queimando qualquer pessoa exposta. “As queimaduras de terceiro grau se estendem por todas as camadas da pele e muitas vezes são indolores porque destroem os nervos da dor”, diz o Nukemap. “Eles podem causar cicatrizes severas ou incapacidade, e podem exigir amputação”.

As explosões que usadas para estimar mortes e lesões são de bombas de 150 kilotons detonadas a cerca de 1 milha acima do solo. As armas nucleares infligem o maior dano à medida que são detonadas a centenas ou milhares de pés acima de um alvo, pois espalha a energia de forma mais eficiente. Isso faz uma bomba mais mortal do que se fosse detonada no chão, já que o solo e as estruturas podem absorver ou bloquear parte dessa energia.

Veja como se comportariam nas cidades alvo:

Tampa, Flórida: 67 mil mortos, 161 mil feridos

A explosão de 150 kilotons sobre Tampa poderia destruir:

– 54 hospitais e instalações médicas
– Duas estações de bombeiros
– 46 escolas e instalações educacionais
– 74 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

No caso de uma detonação de superfície de 150 kilotons em Tampa, a cidade vizinha de São Petersburgo pode ter uma dose mortal de precipitação.

Os ataques aéreos criam pequenas consequências radioativas em comparação com as explosões de superfície, que sugam restos, irradiam e espalham por centenas de quilômetros. No entanto, isto não é uma garantia, então o estudo incluí também previsões de nuvens de precipitação a partir de detonações no solo para fornecer uma sensação de quão longe essa ameaça pode viajar.

Foi usado uma estimativa do Nukemap de onde as precipitações viajariam com base nos ventos prevalecentes em determinado dia. Nota-se no entanto, que as nuvens nascentes geralmente assumem uma forma mais complexa devido aos ventos de alta altitude.

New Haven, Connecticut: 85 mil mortos, 117 mil feridos
Esta explosão de 150 kilotons sobre New Haven poderia destruir:

– 93 hospitais e instalações médicas
– Sete estações de bombeiros
– 114 escolas e instalações educacionais
– 160 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

Partes de Long Island, Queens e Brooklyn não podem escapar dos efeitos mortais de um ataque terrestre em New Haven.
A queda mais forte seria para o centro (vermelho), emitindo cerca de 1.000 rads por hora. A queda mais fraca (amarelo), que emite cerca de 1 rad por hora, se espalharia mais distante.
As chuvas mais fracas se dissipam em 24 horas, embora os restos radioativos perto de um local explosivo possam permanecer perigosos por 48 horas.
Uma pessoa situada na zona de 100 rad-per-hour (laranja escuro) durante quatro horas obteria 400 rads de exposição à radiação – suficiente para matar 50% das pessoas pela radiação aguda.

Detroit, Michigan: 102.000 mortos, 220.000 feridos
Essa explosão de 150 kilotons sobre Detroit poderia destruir:

– 59 hospitais e instalações médicas
– Sete estações de bombeiros
– 62 escolas e instalações educacionais
– 56 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

Os ventos da noite soprariam os restos de precipitação a 100 milhas a sudoeste do centro da cidade.

Miami, Flórida: 125.000 mortos, 277.000 feridos
Esta explosão de 150 kilotons sobre Miami pode destruir:

– 50 hospitais e instalações médicas
– Cinco estações de bombeiros
– 116 escolas e instalações educacionais
– 97 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

As consequências radioativas de uma explosão de Miami podem viajar todo o caminho pela ponta da península da Flórida.

Honolulu, Havaí: 151 mil mortos, 165 mil feridos
Essa explosão de 150 kilotons sobre Honolulu poderia destruir:

– 34 hospitais e instalações médicas
– Seis estações de bombeiros
– 147 escolas e instalações educacionais
– 141 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

A maioria das consequências do espalhamento nuclear em Honolulu explodiria sobre o Oceano Pacífico.

Filadélfia, Pensilvânia: 301 mil mortos, 465 mil feridos

Esta explosão de 150 kilotons sobre a Filadélfia poderia destruir:

– 113 hospitais e instalações médicas
– 14 estações de bombeiros
– 181 escolas e instalações educacionais
– 183 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

Cidades tão distantes como Baltimore poderiam ser pulverizadas com precipitação nuclear de 1 rad-por-hora de uma explosão em solo na Filadélfia.

São Francisco, Califórnia: 305 mil mortos, 361 mil feridos

Essa explosão de 150 Kilotons sobre São Francisco poderia destruir:

– 295 hospitais e instalações médicas
– 10 estações de bombeiros
– 94 escolas e instalações educacionais
– 47 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

A região ao leste da baia poderia ser atingida com intensas consequências.

Boston, Massachusetts: 311 mil mortos, 491 mil feridos,

Esta explosão de 150 kilotons sobre Boston pode destruir:

– 79 hospitais e instalações médicas

– 14 estações de bombeiros

– 190 escolas e instalações educacionais

– 146 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

A chuva radioativa de uma explosão nuclear de solo baseada em Boston penetraria profundamente em Massachusetts.

Chicago, Illinois: 351,000 mortos, 492 mil feridos

Essa explosão de 150 Kilotons sobre Chicago poderia destruir:

– 98 hospitais e instalações médicas
– 15 estações de bombeiros
– 263 escolas e instalações educacionais
– 117 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

As precipitações radioativas de uma explosão no solo em Chicago podem se espalhar pelas margens ocidentais do Lago Michigan. Milwaukee poderia até estar dentro do alcance.

Nova York: 959 mil mortos, 1,5 milhões feridos

Essa explosão de 150 kilotons sobre Manhattan poderia destruir:

– 226 hospitais e instalações médicas
– 20 estações de bombeiros
– 432 escolas e instalações educacionais
– 389 igrejas, sinagogas, mesquitas e outros locais de culto.

Uma grande região do centro de Nova Jersey e talvez cidades tão distantes como Filadélfia, poderiam ser atingidas com precipitação perigosa.

Como observado nestas simulações, além dos milhares e mortos e feridos, centenas senão milhares de organizações civis de apoio seriam também pulverizadas, o que agravaria o quadro de horror.

O estudo divulgado não contempla em mesma análise a retaliação dos Estados Unidos frente a Coreia do Norte caso ela ocorra.