Finalmente chegou a hora, pois depois de anos de preparação, tumultos, brigas políticas, gastos superfaturados, ameaças de mudar sedes, enfim a Copa no Mundo que no Brasil foi a encenação das mais nobres de um teatro de horrores (sendo que alguns atos ainda continuam a ser encenados, sem previsão de encerramento da peça), começou

Sobre São Paulo, a ansiedade e adrenalina estavam ainda mais exaltadas, pois aqui aconteceria a abertura do evento, que aliás durante todo o curso de preparação, a imprensa e responsáveis pelo futebol tentaram tirar SP desta missão. Não faltou factóides de interesses para isto acontecer. Contudo a FIFA e o Governo do Estado, tiveram que “Zagalar”, ou seja iam ter que “engolir” São Paulo na Copa.

No meio deste tumulto, o Morumbi que era o Estádio escolhido foi por razões de “picuínhas futebolísticas”, tirado de cena, e a Arena Corinthians (Itaquerão) seria construída, uma construção nova e exclusiva para abertura. A favor deste projeto novo estava a excelente infraestrutura de transportes, pronta com trem metropolitano e metrô, praticamente na porta do futuro estádio. No Morumbi esta mesma infraestrutura teria que ser construída, cuja principal obra seria o Monotrilho Jabaquara-Morumbi, passando pelo aeroporto de Congonhas, que está sendo construído assim mesmo, mas fora da Matriz de obras da Copa, pois o governo estadual pediu ao governo federal que a retirasse dos prazos e obrigações relativo a Copa.

Mas a construção do Itaquerão, virou um capítulo a parte de toda a novela da Copa, cuja a imprensa se fartou, teve orgasmos em noticiar e não será este post que analisará ou comentará, ficando apenas em trata-lo como pronto para o evento.

Olhando para o dia 12 último, e vendo tudo funcionar a contento, faz nos relaxar que a exposição mundial da abertura teve poucos problemas, e no resultado final acredita-se numa “boa nota”. Mas é perfeitamente possível reflexões que este blog fará:

O lado Político:

Desde o início tentou dar ao evento um lado político, partidário, quando se escolheu o Brasil para sediar, o que acabou ocasionando sequelas durante toda a preparação. Até coisas bizarras aconteceram, como por exemplo incluir a cor vermelha nos logotipos oficiais, quando a cor azul seria a correta para o “label” do ano da Copa.

Esqueceu-se que a Copa é um evento calendarizado internacionalmente, e que o Brasil participaria dela como fez em todas as Copas, e que se apropriar politicamente disto, seria muito mesquinho, senão impróprio, sobrando então o vasto parque de obras que teríamos que fazer, como anfitriões. E seria neste particular (e tem muitos ainda pensando assim), que se faria ou fará o aproveitamento político do evento.

Segmentos da sociedade, partidários ou nâo, se revoltaram e principalmente nestes últimos 18 meses, pois nos tornamos um país destroçado com todo tipo de anarquias, manifestações , violências, vomitada em todas as mídias internacionais, que tentando alertar seus cidadãos que viriam, criaram cartilhas, livros, guias de sobrevivência neste caldeirão prestes a explodir. Tudo isto tendo como motivação os gastos elevados suspeitas de superfaturamento, etc..etc.

Um dos últimos atos orquestrados politicamente, foi a greve nos sistemas de trens, que atenderia a abertura da Copa. Sufocada pelo Judiciário Trabalhista e pelo governo do Estado, tudo funcionou em plena normalidade pelos menos até agora.

Este caldeirão político produziu muitas “autoridades mal vistas” que estão sendo vaiadas em todas as exposições públicas, que é a maneira que parte da população escolheu para protestar, que não seja por manifestações e enfrentamento das estruturas de segurança.

A Cerimônia de Abertura:

Há uma cultura na nossa sociedade, de buscar apenas lado negativo nas mais variadas situações, patrocinado por uma imprensa mesquinha, organizações oportunistas e milhares pessoas, e então atender a todos torna-se um ato desafiador, por que não dizer impossível.

A cerimônia recebeu várias criticas, mas se voltarmos um pouco nas ultimas cerimônias de Copa, veremos tratar-se de um “padrão FIFA”, rápida, poucas pessoas e com temas regionais, que pode agradar, e ao mesmo tempo gerar descontentamentos. Nas outras ocasiões também houveram críticas mundo afora.

– O que poderia ser diferente:

  • Não usar recurso playback.
  • J. Lo, e a Claudia Leite são expressões bem latinas e poderiam dar conta com muito mais impacto e sensibilização da “galera”
  • Falha gravíssima na transmissão do exoesqueleto; Os responsáveis pela geração desta parte do show deveriam dar um destaque maior como estava planejado, e seria algo muito inovador que está sendo feito pela ciência e tecnologia aqui no Brasil. Este é o episódio mais lamentável desta cerimônia de abertura.
  • Aquela bola eletrônica poderia ser maior.
  • São Paulo como capital de eventos e cultura, com organizações e tecnologia poderia ter dado substancial contribuição nesta parte do evento, mas foi ignorada pelos organizadores responsáveis.

A grande perda da cerimônia, não poder ver com mais tempo o Exoesqueleto do neurocientista Miguel Nicolelis


– O que foi bom:

  • A temática mostrada, realçando coisas do Brasil continental (ritmos, natureza e futebol). Os órgãos oficiais de divulgação do Brasil, há anos mostram o Brasil numa “nota só”. O país continente é esquecido ou pouco divulgado em sua amplitude total. Neste particular este blog parabeniza os responsáveis pela elaboração da apresentação, porque tentou desmistificar isto, ainda que parcialmente.
  • As cores e design utilizados sobre o gramado.
  • As fantasias empregadas.

Belo apelo visual com as cores e fantasias deu um colorido sutil dentro da estrutura do estádio e com a torcida


O novo Estádio:

Funcionou muito bem, é um design exclusivo para um estádio de futebol fugindo do formato tradicional, e produto de tecnologia moderna em todas as estruturas, desde o gramado até sua cobertura. Foi completado para receber o jogo de abertura, mas seu entorno ainda ficou devendo, pois as etapas do projeto original ainda continuarão pós copa, conforme mostra o vídeo executivo FIFA/Gov.São Paulo. O estádio completo de torcedores foi uma das belezas desta abertura de mundial


[Itaquerão Escancarado] [Detalhes da Arena]


A torcida:

Este é um show memorável, que ninguém tira de nós. Embora maioria, foi possível ver muitos grupos de estrangeiros convivendo harmoniosamente com os brasileiros, dando seu espetáculo e colorindo milhões de televisões mundo afora.

Um comportamento exemplar, respeitando a organização do evento, sendo solidários, apoiando, enfim tudo aquilo que faz um bom espetáculo memorável.

Turistas:

Vieram em massa. São Paulo está pondo a prova toda sua boa estrutura turística, como hotelaria, gastronomia, cultura, infraestrutura urbana, etc. Estão em todo lugar, de vários locais do mundo, aproveitando não só o futebol, mas divertindo-se e interagindo com as opções da cidade e do estado.

Nada dificulta a estada deles, e eles se impressionam com que vêm: Difícil explicar para um grupo de dinamarqueses, no Mercado Municipal, o que é um famoso sanduiche de mortadela ? nada disso o catálogo e a experimentação fazem o negócio; Turistas ingleses admirando a estação da Luz, fotografando, filmando (talvez nem saibam a história da estação), mas estavam se sentindo em casa; Grupo de espanhóis expressando admiração pelo baixo preço do trem que vai para o estádio (R$ 3,00); Americanos comentando sobre mendigos e sem tetos no centro e comparando com passeio pela Av. Paulista (parece que estamos em NY, ou coisa parecida, diziam); Grupo de alemães no MASP (como? a entrada é de graça ?)…….e a partir daí muitas histórias, com os mais diversos personagens.

Lotaram a Vila Madalena, a Fan Fest do Anhangabaú, e estão circulando por todos os pontos turísticos, bem auxiliados e documentados pelas organizações de turismo.

Não só a Capital, como também várias cidades do interior e litoral, estão hospedando 15 das 32 seleções que vieram ao Brasil, e isto trás forte movimentação do turismo, em toda sua essência, gerando benefícios para todos.

Mas certamente isto que está acontecendo por aqui, não será contabilizado em detalhes pelos órgãos oficiais de turismo (federais), já que neste particular eles sempre menosprezam esta capacidade e realidade que temos.



Infraestrutura/Mobilidade:

Os aeroportos, que tanto temíamos parecem estar dando conta do recado e até causando boa impressão. Cumbica, tradicional porta de entrada do Brasil, constituiu-se também em porta de entrada para a Copa, e sua concessionária conseguir com os investimentos e ampliação até agora realizados, dar conta e gerar boa impressão aos visitantes. Certamente se não tivesse sido privatizado e sem as obras que precisavam, estaríamos agora num estado de lamentação profunda. O velho Congonhas, nosso “Porta-Aviôes” está no limite, mas dando conta das operações com qualidade.

Viracopos apesar dos problemas de embargo nas obras, tem contribuindo nas operações e pronto para aliviar qualquer gargalo.


Após a Justiça Trabalhista junto com o governo do Estado, sufocarem a greve no sistema de trens, todas as emissoras de rádio e TV, mudaram o foco e passaram a orientar o uso dos trens para ir ao estádio, que atendeu plenamente como é mostrado.

Veja Mais


Transporte urbano: Metrô e Trens estão operando com eficiência para o evento. Estrutura já pronta há anos, e acostumados com grande volume de operações e passageiros, está até causando admirações nos estrangeiros que os estão utilizando. Impecável também as operações com os tradicionais ônibus, ônibus metropolitanos e serviços de taxi. Até o momento tudo está funcionando, com poucos acidentes ou problemas, pontuais e “normais” face a situação de lotação da cidade.

Segurança: ocorrências normais para uma cidade de nosso tamanho, contudo o destaque negativo continua sendo manifestações, danos ao patrimônio, bloqueio de estações e avenidas, promovido por arruaceiros que ainda portam cartazes “Não vai ter Copa”, só que a Copa está em pleno curso, e a motivação vai ter que ser mudada. Estrutura de segurança (PM,PC,PF, e militares) agindo com rigor. Paciência e desculpas pelos jornalistas estrangeiros feridos, mas infelizmente se colocaram no meio do conflito.

Bom, ainda faltam muitos dias para a Copa acabar, mas o saldo da etapa inicial que é a abertura e o primeiro jogo, toda a estrutura planejada funcionou bem, e causou boa impressão.

Ainda há muitas obras na cidade, da quais algumas se tentou deixar pronta para este evento, mas por situações das mais variadas não foi possível e continuarão seu ciclo normal, inclusive até no Itaquerão com obras em seu entorno, cujo vídeo executivo FIFA/Gov.São Paulo mostram:


Vídeo executivo realçando aspectos da grandiosidade de São Paulo, destacando a infraestrutura e mobilidade urbana e detalhando o projeto Itaquerão completo.


Além de São Paulo, o espetáculo Brasil afora está bonito, e esperemos que ninguém estrague a festa, e o principal, é já ir se preparando para a ressaca, ou seja, depois que acabar a Copa, o “The Day After”. Há muitas questões mal resolvidas não ??


Veja: Curitiba e São Paulo as melhores sedes da copa

FONTES:

  • Mídia impressa (várias)
  • Organizações de Turismo de São Paulo, listadas ao lado desta postagem
  • Internet

copacomecou

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus