A história da impressão de documentos, tem grandes momentos na história, patrocinados por empresas como A.B.Dick Co., Haloid, Verifax, Xerox, HP entre as principais, e agora em pleno século 21, parece estar se iniciando um novo avanço que leva o nome de uma empresa chamada LandaNano.

Durante a Drupa (Feira Internacional da Mídia e Indústria Gráfica, Publicação e Papel) ocorrida em Maio último em Düsseldorf na Alemanha, que recebeu visitantes do mundo inteiro para conhecer as mais inovadoras tecnologias e novidades da indústria gráfica, a grande sensação foi o lançamento do novo conceito de impressão, chamado de Nanografia. Durante este evento Benny Landa fez a apresentação desta tecnologia, e foi o destaque do evento.

Ilustracao Lando 1

Claro que falar em nanografia devemos lembrar então tratar-se do uso de algum tipo de nanotecnologia, que sabemos corresponde à capacidade de criar agrupamentos de átomos ou moléculas com novas estruturas que proporcionam ao material ou elemento novas propriedades, principalmente mecânicas, ópticas, eletrônicas ou magnéticas.

Desta forma abre-se grandes oportunidades para a criação de novos produtos industriais. A denominação nanotecnologia está associado ao pequeno tamanho de vários itens utilizados para a construção de componentes inteligentes como microprocessadores e robôs.

Com isto claro, no caso, a nanografia é a tinta utilizada no processo de impressão. Esta tinta é fabricada com nanotecnologia e possui características bem diferentes das tintas comuns. A “tinta nanográfica” fabricada então com os conceitos e recursos da nanotecnologia, confere aos pigmentos uma capacidade maior de absorção de luz, e esta capacidade faz com que os pigmentos sejam muito mais eficientes.

Resumindo, a impressão nanográfica é caracterizada por pontos ultra-afiados de extrema uniformidade, alta fidelidade do brilho e a maior gama de cores de qualquer processo de impressão. A companhia israelense demonstrou o resultado de anos de pesquisa, com imagens geradas com apenas 500 nanometros de espessura (equivalente a 0,0005mm), cerca da metade das imagens offset, permitindo produzir o menor custo por página.

Os pigmentos NanoInk™ têm de 50 a 70 nanômetros de diâmetro. A tinta é a base de água e necessita menos água para se dissolver. Esta menor quantidade de água na tinta, faz com que a reprodução dos pontos seja mais nítida e fiel ao arquivo digital.

Diz Benny Landa que outra vantagem, é o fato de não “molhar” o papel, o que dispensa a necessidade da secagem do suporte após a impressão.

O fabricante garante também, uma maior densidade de cores na reprodução das imagens e a possibilidade de usar qualquer tipo de suporte sem a necessidade de um tratamento prévio (aplicação de primer). A impressão Nanográfica promete reproduzir imagens com uma notável resistência à abrasão.

Nesta nova tecnologia, a fina camada de tinta permite que o substrato retenha suas características originais mesmo após a impressão. O fino filme de tinta é transferido para o substrato quase seco, evitando a necessidade de pós-secagem e prevenindo efeitos indesejados no suporte de impressão, tais como inchaço, deformação e encanoamento.

Veja o comparativo da tecnologia nanografica com os demais sistemas de impressão:

comparacao ink nano

comparativo todos os sistemas

Esta é então a nova tecnologia de impressão digital, lançada por Benny Landa – presidente da Landa Corporation. Benny Landa também é conhecido pela criação da tecnologia Indigo (que utiliza toner líquido) que foi comprada pela HP em 2002.

A previsão é que os equipamentos que utilizem esta tecnologia adentrem o mercado de impressão dentro dos próximos 5 anos.

A Nanografia Landa™ promete combinar velocidade, qualidade e custo em equipamentos com diversos formatos e para diferentes tipos de papel. As gráficas não precisarão mais escolher entre a versatilidade e curto prazo de entrega da impressão digital e a alta produtividade e baixo custo unitário da impressão offset.

A Nanografia ™ suporta grandes formatos e impressão de alta velocidade. Esses recursos permitem explorar tanto os mercados comercial e editorial, como o de impressão de embalagens. Esta versatilidade permitirá um rápido retorno sobre o investimento e receitas mais elevadas do que em outras tecnologias de impressão digital.

Entre as principais possíveis vantagens deste novo sistema, podemos citar:

  • Formato: alimentação à folha B3, B1, B2 e alimentação por bobinas de 560 a 1020 mm de largura;
  • Velocidades de até 13.000 folhas por hora ou 200 metros por minuto para impressoras rotativas.
  • Não há necessidade de pré-tratamento dos suportes e pós-secagem.
  • Impressoras de 4 a 8 cores de impressão.
  • Sistema totalmente adaptado aos diversos tipos de acabamentos gráficos.
  • Facilidade de uso para conhecer melhor o funcionamento desta nova tecnologia.

Assista abaixo o lançamento oficial do processo de impressão da Landa Nanografia pelo seu presidente Benny Landa. São 43 minutos, que apesar da parte teatral do vídeo, a apresentação dos detalhamentos técnicos da nova tecnologia, podem estar nos colocando frente a uma nova revolução na impressão de documentos, com melhores propriedades e eficiência além de aspectos melhores de custo e sustentabilidade:

 

Veja ainda:


Agradecimentos:

Charles P. da Silva (Sales & Tech Support EFI Brasil), pela inspiração e fornecimento de parte do material


Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus