Archive for maio, 2018

Roger Zmekhol chorando…

3

Roger Zmekhol , foi mais um renomado arquiteto formado pela primeira turma da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU) que pelo tempo que viveu deixou pelo quatro marcas em São Paulo, Edifício Augusta, Edifício Wilton Paes de Almeida, Residência Roger Zmekhol e a Residência Salomão Charach. Ele foi também o vencedor do Prêmio Oswald de Andrade Filho – IAB-SP (1955).

O arquiteto era filho de refugiados cristãos sírios que nasceu em Paris em 1928 e veio para São Paulo ainda quando criança aos 3 anos de idade e também se tornou docente na própria Faculdade de Arquitetura e foi primeiro vice-presidente do IAB no período 1968-1969.

Roger Zmekhol faleceu prematuramente aos 48 anos, em 16 de Dezembro de 1976, e se ainda vivo veria com frustração a destruição de sua maior obra, o Edifício Wilton Paes de Almeida.

Este edifício foi marco da arquitetura modernista e por assim ser foi tombado em 1992 por ser considerado “bem de interesse histórico, arquitetônico e paisagístico”, o que garantia” a preservação de suas características externas”.

Começou a ser construído na década de 1960 após a demolição do Hotel Victoria e inaugurado em 1968 para ser a sede do conglomerado de empresas do político e empresário Sebastião Paes de Almeida (foi batizado Wilton Paes de Almeida em homenagem ao irmão mais velho de Sebastião). Luxuoso, foi construído para ser sede da Cia. Comercial Vidros do Brasil (CVB).

O Hotel Victoria (prédio escuro ao fundo) antecedeu o Edifício Wilton Paes de Almeida. Ele foi demolido no final da mudança de construções de estilo europeu para estilo norte americano que aconteceu na cidade notadamente nos anos 50.

De estrutura metálica e lajes em concreto, tinha 26 pavimentos e se localizava na esquina da Rua Antonio de Godoy com a Av. Rio Branco tento o Largo do Paissandu à sua frente leste. A CVB era a principal empresa do grupo do empresário e no prédio além dela funcionou a Oleogazas, a Socomin e duas agencias bancarias, o Nacional do Comércio de São Paulo S.A. e o Banco Mineiro do Oeste S.A. nos quais Sebastião de Almeida era acionista majoritário.

Propaganda já mostrando as empresas do grupo Paes de Almeida ocupando o edifício em seu melhor momento.

O edifício Wilson Paes de Almeida foi marcante e bastante arrojado. Além de pertencer ao estilo modernista, foi um dos primeiros que usou fachada de vidro na cidade de São Paulo, tendo seus vitrais importados na época, aponto de receber o apelido de “pele de vídeo”. Foi também o primeiro edifício do Brasil a ter um sistema de ar condicionado central e ter um hall de mármore e aço inoxidável.

A construção era destaque, uma obra de vanguarda, cuja referência e influencias maiores eram o edifício Lever House de Nova York. Esse tipo de construção explodiu na cidade a partir das décadas de 1970 e 1980.

Mas com enormes dívidas com a receita federal e em razão disto o edifício passou para propriedade do governo federal.

Desde 2002, o Wilton Paes de Almeida pertencia à União. Como posse da União, abrigou a sede da Polícia Federal, que já estava lá desde 1980 (e permaneceu até 2003), e também uma agência do INSS. Mas a Polícia Federal acabou mudando sua sede do local e o prédio acabou sendo abandonado, sendo ilegalmente ocupado por “movimentos sociais”.

Em seu momento de glamour, ele fez parte em destaque do skyline do Largo do Paissandú.

Como já mencionado em 1992, o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (CONPRESP) fez o tombamento de diversos edifícios e outras construções da região do Anhangabaú, entre eles, o Wilton Paes de Almeida.

Ele foi classificado em nível de proteção 3, que “corresponde a bens de interesse histórico, arquitetônico, paisagístico ou ambiental, determinando a preservação de suas características externas”. A resolução do tombamento cita “o valor histórico, social e urbanístico”, “o significado paisagístico e ambiental” e “o valor histórico-arquitetônico, ambiental e afetivo de diversos imóveis localizados na área do Vale do Anhangabaú e arredores”.

Como prédio invadido ilegalmente, tornou-se uma verdadeira favela vertical, abrigando todo tipo de moradores, dos quais 35 % estrangeiros, imigrantes. Cerca de 146 famílias e 248 pessoas moravam no edifício e pagavam entre R$ 250,00 a R$ 500,00 de aluguel para o Movimento Luta por Moradia Digna (LMD), grupo ligado ao Movimento de Luta Social por Moradia (MLSM).

O governo federal tentou ainda, em fevereiro de 2015, vender o Wilton Paes de Almeida num amplo leilão , num valor estimado de acordo com o edital, de, R$ 21.595.779,08. O leilão fracassou, e o prédio já se apresentava em péssimo estado de conservação.

Além de ícone de arquitetura, pela carceragem da PF quando ali funcionava, passaram presos famosos, como o mafioso italiano Tomaso Buschetta , o ex-juiz Nicolau dos Santos Neto e até a ossada do oficial nazista alemão Josef Mengele ficou depositada no edifício.

Anos de degradação, pichações e lixo por todo lado, e, o tradicional “empurra-empurra” dos órgãos e esferas de governo responsáveis, fizeram o edifício ter um triste final na madrugada de 1º de Maio, quando tomado por um incêndio “Padrão Andraus“ desabou como as torres gêmeas de NY.

Em questão de segundos, isto foi o que sobrou da renomada construção.

Deixou mortos, feridos, desabrigados e como se diz folcloricamente fez Roger Zmekhol se revirar no túmulo” e chorar angustiosamente pela destruição de sua imponente obra.

O desastre se estendeu ao lado onde funcionava uma centenária igreja luterana, a Martin Luther, que também era tombada. Igreja fundada por imigrantes alemães, foi 80% destruída, sobrando apenas o altar e a torre, depois de uma reforma recente a um custo total de R$ 1,3 milhão. Os edifícios ao lado e em frente também foram afetados.

As imagens deste trágico cenário foram exaustivamente mostradas pela imprensa local e internacional, tal como de outras catástrofes que ocorreram na cidade no século passado (Andraus, Joelma, Grande Avenida), algumas mostradas aqui no blog e certamente devem compor um documentário que vai repercutir no cinema.

O edifício está no centro deste documentário, que já vinha sendo filmado antes da tragédia e agora incluirá sua transformação em ruínas.A diretora Denise Zmekhol, filha do arquiteto, (e do documentário “Children of the Amazon”), desenvolvia o projeto desde o ano passado, registrando os ângulos do edifício modernista de 24 anos como uma homenagem para seu pai, que projetou o prédio inaugurado em 1968.

Na sequencia, do glamour, passando pela degradação, o incêndio e finalmente os escombros…

“Foi como se meu pai morresse outra vez”, afirmara ela sobre o desabamento, para o jornal Folha de S. Paulo. Como esperado o título do filme será “Pele de Vidro”, nome pelo qual a construção era conhecida.

O Wilton Paes de Almeida era um dos ícones do Largo do Paissandú, que além da igreja central, tem a Galeria do Rock e o famoso restaurante Ponto Chic, onde foi criado o famoso lanche “Bauru”.

Agora jaz em ruínas desaparecendo de vez …


Bibliografia/Fontes:

  • Videos: BBC Brasil, Reuters, Globo TV, Globo News, EuroNews, NYT.
  • Imagens: archdaily, portais Msn, G1, Terra, wiki/Roger_Zmekhol, wiki/Wilton Paes de Almeida, gazeta do povo, Folha Press, acervo Estado, acervo pessoal.

Ataque nuclear a Júpiter ?

4

Como se sabe, a energia nuclear desempenha um papel muito crítico em viagens espaciais longas. Ao contrário das imagens que vemos de satélites e estações espaciais, repleta de enormes painéis solares em órbita da Terra, as sondas aos planetas distantes não podem contar apenas com painéis solares para gerar quantidades significativas de energia para que possam executar suas varreduras e pesquisas científicas longe de nosso planeta.

Júpiter, aqui composto por imagens do Hubble, mostrando suas grandes luas projetando sombras na superfície do planeta, está envolvido numa grande polêmica que mistura teoria de conspiração com possível realidade dedutiva desde 2003.
Por estas razões a NASA confia tanto nos geradores termoelétricos de radioisótopos, comumente conhecidos pelas siglas “RTG”, para fornecer energia necessária para sondas. O uso de RTGs é muito frequente nas sondas de espaço profundo e tem sido usadas desde os anos 1970 para sondas notáveis ​​como Pioneer e Voyager, tal qual nas recentes missões, como a Cassini e New Horizons, entre outras.

Mas então, como estão os RTGs relacionados com uma possível detonação nuclear no planeta Júpiter?

Em 21 de setembro de 2003, a NASA numa decisão muito estranha, optou por enviar o RTG que alimentava a sonda Galileu,  de encontro as barreiras tempestuosas do planeta como sua missão final.
A razão por trás da destruição foi principalmente, que a NASA, preocupada que uma sonda com material nuclear na órbita de Júpiter poderia eventualmente contaminar suas luas, que suspeitam abrigar vida. Os cientistas acreditavam em 2003, como o fazem agora, que tanto Europa e Calisto têm quantidades significativas de água gelada, e são teorizados que possam ter oceanos do subsolo que podem conter vida microbiana.

Com esta preocupação em mente, a NASA não teve opções, a não ser enviar comandos para “matar”a sonda, direcionando-a para um mergulho suicida sobre Júpiter para prevenir contaminações naquela zona planetária. Galileo foi quase destruída instantaneamente durante sua reentrada na órbita, da mesma maneira que uma outra sonda atmosférica foi esmagada (que foi lançada em 1995) para conduzir experimentos durante uma descida no planeta hostil.

Mas os resultados desta vez, poderiam resultar de fato num esmagamento? Alguns especialistas advertiram que a mistura de material radioativo em Júpiter pode ter resultados catastróficos. Jacco van der Worp, físico holandes, advertiu, através de um programa de rádio, que os RTGs podem atingir a massa crítica, devido à intensa pressão na baixa atmosfera do planeta e dos elementos contidos dentro dela.

Alguns especialistas afirmam que a conversão dos RTGs empregados em uma arma atômica é difícil de se reproduzir, o que tem causado controvérsias sobre a questão de transformar uma sonda espacial pacífica em uma arma de destruição em massa.

Os cenários que foram utilizados na primeira arma nuclear sobre os céus de Hiroshima no dia 6 de agosto de 1945, pode espelhar o ambiente possível dos RTGs durante a sua descida para Júpiter.

Empregar armas nucleares e explosivos poderosos para criar artificialmente pressões incríveis, forçando o material radioativo para compressão extrema e alcançar a fissão, cria-se a cadeia de eventos que conduzem a uma explosão nuclear.

Júpiter cria naturalmente as pressões incríveis necessárias para comprimir um material radioativo para conseguir a fissão. Afinal de contas, é assim que o nosso sol brilha, ou seja, imensas pressões e reações de força em vários tipos de átomos, criando uma incrível quantidade de energia.

Um desafio, porém, ao argumento da possibilidade é se o tipo de material de RTG da Galileu, U238, poderia realmente criar tal arma. É absolutamente verdade que U238 não pode criar uma reação físsil por sí. No entanto, se U238 é enriquecido, o resultado é U235, que é considerado “estopim” para uma bomba nuclear. Júpiter poderia fornecer a base necessária para enriquecer U238? Acredita-se que sim.

Alguns creem que é possível que Júpiter é o ambiente perfeito para a transformação das células RTG em um esperado acidente nuclear.

Uma crítica adicional para esta teoria é que, se de fato ocorreu uma reação, fazendo com que o material radioativo tenha explodido, não criaria a mancha escura visto nas imagens iniciais apuradas pelo astrônomo. Isto é absolutamente verdade, como o resultado de efeito explosivo de 100 mil toneladas de TNT (ou cerca de duas vezes a força da bomba usada sobre Hiroshima).

Então, como poderia a reação de uma pequena faísca resultar em algo maior? A resposta está no que está por baixo das nuvens de Júpiter. O gigante de gás contém grandes quantidades de trítio e de deutério. Ambos são componentes essenciais de outro tipo de arma nuclear o que resulta numa reação de fusão. Este tipo de reação é a base do que chamamos de uma “bomba de hidrogênio”, que rende muito mais energia do que uma simples bomba físsil.

Em 19 de outubro de 2003, um astrônomo amador chamado Oliver Meeckers tomou uma foto de baixa resolução de Júpiter, e anotou uma anomalia no planeta. Ao sul do equador do planeta foi encontrada uma mancha preta maciça, revelando que algo sombrio tinha ocorrido em Júpiter. A mancha apareceu portanto depois de quase um mês do mergulho suicida da Galileu contra a atmosfera do turbulento planeta.

De acordo com a imagem, uma vez que a reação inicial é criada, o combustível de fusão é utilizado, criando uma explosão de rendimento muito mais elevada. A arma mais potente já criada, o Tsar Bomba (Rússia) usa o mesmo tipo de princípio. Dado o amplo combustível que está disponível no fundo de Júpiter, é plausível que a reação físsil simples se tornou muito, muito maior.

Na verdade, essa reação foi a base da sequencia da brilhante obra, “2001: Uma Odisséia no Espaço”, apropriadamente chamada de “2010, o ano que faremos contado”. (Quem assistiu poderá entender melhor o que se diz aqui).

Mas esta reação traz uma grande questão: por que não se inflamou o combustível, criando mesmo uma explosão maior? Uma que iria consumir todo o planeta?

A resposta para isso é simples: Júpiter não pode manter a pressão necessária para criar a fusão por conta própria. Para criar as pressões necessárias para sustentar tal reação requer uma massa muito maior, da ordem de 10 vezes o tamanho de Júpiter. Estas entidades são chamadas anãs marrons, e foram apenas recentemente compreendidas. Por conseguinte, uma vez que a reação inicial de U235 foram dissipadas, houve pouco para manter a reação.

A barreira final para a explosão nuclear é o simples argumento de tempo. A sonda colidiu com Júpiter em 21 de setembro, e o local mostrou-se manchado em 19 de outubro – quase um mês depois. Como isso é possível?

Um aspecto importante á da densidade atmosférica é que a resistência que um objeto encontra quando se desloca através dela. Portanto, como a sonda Galileo descia através da atmosfera de Júpiter, o arrasto imposto a descida seria naturalmente retardá-lo. Os cientistas não sabem se há um verdadeiro “núcleo” de Júpiter, ou se ele é simplesmente tão denso que se torna difícil como qualquer outro objeto rochoso do sistema solar.

Uma equação retirada da chamada “Lei de Stokes” é a base para o cálculo de quanto tempo levaria a cápsula RTG para atingir uma profundidade em Júpiter e atingir a massa super crítica. Esta equação é mostrada ao lado:

Não entraremos aqui, nos detalhamentos de como ela funciona, restringindo-se apenas que aplicando esta fórmula para os containers RTG, descobre-se que ela tomaria pouco menos de 1 mês até atingir a profundidade necessária para a reação, que é o mesmo tempo entre o fim da sonda e a descoberta da mancha da explosão.

Mas poderiam os containers RTG sobreviver tanto tempo em um ambiente tão hostil? A sonda portadora Galileo só sobreviveu 53 minutos antes de ser destruída a uma profundidade de 160 km e 23 vezes a pressão da atmosfera da Terra.

Analisando os dados do campo de contenção RTG do Galileo, percebeu-se que as cápsulas de urânio foram revestidas em irídio, que tem um ponto de fusão de 4435 graus Fahrenheit. As cápsulas de urânio foram, então, ligadas a uma membrana de boro-grafite que pudesse resistir a 6422 graus Fahrenheit. Mantendo a membrana quase intacta é uma parte importante da teoria, como se precisasse de pelo menos 10 quilogramas dos 45 contida dentro do RTG para criar uma reação físsil.

Somando-se todos esses dados, tem-se uma “tempestade perfeita” de modelos, um veículo que pode ser capaz de suportar as temperaturas e pressões necessárias para enriquecer a detonação de urânio e suas consequências e o lapso de tempo entre a inserção da sonda na atmosfera de Júpiter e detonação.

Mesmo depois de tudo o que foi analisado e dito, persiste o argumento: “E se”, foi cenário da tempestade perfeita. Mas um evento como esse poderia acontecer de novo?

Entusiastas do espaço devem tomar nota dos seguintes pontos:

  • A Jupiter Icy Moons Orbiter (JIMO) – a primeira sonda de propulsão nuclear (utilizando um reator real) foi cancelada logo após o incidente Galileo.
  • A NASA tem praticamente abandonado criação RTG para novas sondas desde o incidente da Galileo (a menção: ser de elevado “custo” para justificar iniciativas necessárias para criar os materiais diferenciados para os novos RTGs).
  • O substituto da NASA para a missão JIMO está usando painéis solares de melhor desempenho em vez de um RTG, apesar do fato de que a embarcação receberá apenas 4% da energia solar que uma sonda semelhante receberia em órbita da Terra.
  • As poucas sondas que empregavam RTGs pós-Galileo não tem praticamente nenhum risco de pouso forçado em um gigante de gás, como a missão New Horizons, que viajou para Plutão.
  • A NASA tem desencorajado significativamente o uso de RTGs na esteira do acidente da Galileo. Só New Horizons e MSL foram lançados com RTGs na última década.

Uma sonda que ainda utilizou um RTG e orbitou um gigante de gás, foi a Cassini-Hyugens. Com a qual foi possível o esgotamento do combustível e a espaçonave foi colocada em uma trajetória de impacto com o planeta.

Em 15 de setembro de 2017, a Cassini sem o módulo Hyugens (pousado em Titan) mergulhou na atmosfera de Saturno em uma velocidade aproximada de 34 km por segundo, terminando abrasada e vaporizada, como um meteorito em queda.

Tal como a Galileo a decisão de destruir a Cassini desta maneira, deveu-se à preocupação de evitar uma possível contaminação com material terrestre de alguma das luas, se porventura acabasse se chocando com uma delas.

Seja como for, perante a tantas evidências e controvérsias a respeito, muitos cientistas argumentarem que não poderia ter acontecido isto e no final, é você, leitor, que tem que decidir por si mesmo se a NASA realmente criou acidentalmente a arma mais poderosa conhecida e desencadeou o primeiro ataque nuclear contra um outro planeta e se ela foi longe demais, criando a primeira arma nuclear interplanetária em 2003.


Go to Top