É curioso saber que em pleno século 21, dentro dos Estados Unidos, e de outros países ainda exista uma sociedade religiosa tão conservadora e de costumes tradicionais preservados desde o século 16.

Para entender este grupo religioso é necessário alguns conceitos e estruturas quais sejam:

  • Anabatistas: São re-batizadores ou seja, são cristãos sectários do Anabatismo, a chamada “ala radical” da Reforma Protestante. São assim chamados porque os convertidos eram batizados em idade adulta, desconsiderando o batismo da Igreja Católica Apostólica Romana. Assim, re-batizavam todos os que já tivessem sido batizados quando criança, crendo que o verdadeiro batismo só tem valor quando as pessoas se convertem conscientemente a Cristo.
  • Mennonitas : é  um grupo de denominação  cristã que descende diretamente do movimento anabatista que surgiu na Europa no século XVI, na mesma época da Reforma Protestante. Tem o seu nome derivado do teólogo  Menno Simons (1496-1561), que através dos seus escritos articulou e formalizou os ensinamentos  dos seus predescendentes anabatistas suíços. Segundo estimativas de 2009, há mais de 1,6 milhões de menonitas espalhados pelo mundo todo.
  • Nestorianismo é uma doutrina cristã proposta por Nestório, Patriarca de Constantinopla (428 – 431 d.C.). A doutrina, que foi formada durante os estudos de Nestório  sob o bispo Teodoro de Mopsuéstia na Escola de Antioquia (Nota 1), enfatiza a desunião entre as naturezas humana e divina de Jesus. Os ensinamentos de Nestório o colocaram em conflito com alguns dos mais proeminentes líderes da igreja antiga,  dando origem ao cisma nestoriano, no qual as igrejas que apoiavam Nestório deixaram o corpo da Igreja. Com o crescimento da Igreja do Oriente no século VII d.C. e nos seguintes espalhou o nestorianismo por toda a Ásia

Assim como os Mennonitas, os Amish são descendentes dos grupos suíços de anabatistas chamados de Reforma radical. O Anabatistas suíços ou “os irmãos suíços” tiveram suas origens com Felix Manz (1498-1527) e Conrad Grebel (1498-1526). O nome “Mennonita” foi aplicado mais tarde e veio de Menno Simons (1496-1561). Simons era um padre católico holandês que se converteu ao Anabatismo em 1536. O movimento Amish começou com Jacob Amman (1656 – 1730), um líder suíço dos Mennonitas que acreditava que estes estavam se afastando dos ensinos de Simons.

Os primeiros Amish começaram a emigrar para os Estados Unidos no século XVIII, para evitar perseguições e o serviço militar obrigatório. Os primeiros emigrantes foram para o condado de Berks, na Pensilvânia.

Uma tradicional carroça Amish utilizada para passeios turisticos em Shipshewana, Indiana (EUA)

Uma família Amish

Estimativas do início da década de 2000 revelam a existência de 198 mil membros da comunidade Amish no mundo, sendo 47 mil apenas na Pensilvânia. Esses grupos são compostos por descendentes de algumas centenas de alemães e suíços que migraram para os Estados Unidos e o Canadá.

Os Amish preferem viver afastados do restante da sociedade. Eles não prestam serviços militares, não pagam a Segurança Social e não aceitam qualquer forma de assistência do governo. Muitos evitam até mesmo fazer seguro social, de vida e outros similares.

A maioria fala um dialeto alemão conhecido como “Alemão da Pensilvânia” . Eles dividem-se em irmandades, que por sua vez se divide em distritos e congregações. Cada distrito é independente e tem suas próprias regras de convivência.

Uma propriedade agrícola Amish

Os Amish não gostam de ser fotografados. Interpretam que, de acordo com a Bíblia, um cristão não deve manter sua própria imagem gravada.

O culto Amish é praticado da mesma maneira desde a origem do Anabatismo na época da Reforma. O Culto é voltado a Deus e não tem o carácter evangelizador, portanto práticas como “chamada ao altar” ou “aceitar Jesus” não existem.

Não constroem igreja, assim reúnem-se em casas privadas ou em salas de escolas. As mulheres sentam-se separadas dos homens e cobrem a cabeça com um véu. O culto inicia com uma invocação de algum dos anciãos, seguem-se o canto dos hinos  Ausbund, que é o mesmo texto desde o século XVI e não contém notação musical.

Hino da pagina 770 do Ausbund

O livro dos hinos Ausbund

Há uma oração, onde todos se ajoelham silenciosamente até que algum membro masculino ore pela igreja. A leitura e pregação da Bíblia é feita extemporaneamente, sem sermões preparados, e muitos anciãos abrem as Escrituras aleatoriamente. Seguem uma oração do ministro e uma bênção final. A congregação se despede com um ósculo (beijo, carinho, cumprimento ou demonstração de apreço. É um termo romano antigo, usado inclusive pela igreja nas missas em latim)


 O cotidiano e a história dos Amish contada por uma aluna de escola básica

 

Os princípios e valores praticados pelos Amish são:

  • A Bíblia, principalmente a ética do Novo Testamento, devem ser obedecidas como a vontade de Deus, embora não sistematizando sua teologia, mas aplicando-as no dia-a-dia. A interpretação da Bíblia é realizada nos cultos e reuniões da igreja. Essa posição de evitar querelas teológicas evitou divisões de carácter doutrinário nas denominações anabatistas.
  • Credos e confissões são somente documentos para demonstrar aquilo que se crê, mas requerem a adesão ou crença a eles. Aceitam, portanto, em essência os Credos históricos do Cristianismo, mas não o professam.
  • A Igreja é uma comunidade voluntária formada de pessoas renascidas. A Igreja não é subordinada à nenhuma autoridade humana, seja ela o Estado, ou hierarquia religiosa. Assim evitam participar das atividades governamentais, jurar lealdade a nação, participar de guerras.
  • A Igreja não é uma instituição espiritual e invisível, mas uma coletividade humana e real, marcada pela separação do mundo e do pecado e uma posição afirmativa em seguir os mandamentos de Cristo.
  • A Igreja celebra o Batismo adulto por aspersão como simbolo de reconhecimento e obediencia a Cristo, e a Santa Ceia em memória da missão de Jesus Cristo.
  • A Igreja tem autoridade de disciplinar seus membros e até mesmo sua expulsão, a fim de manter a pureza do indivíduo e da igreja.
  • Como pode ser notado, a teologia anabatista é massivamente eclesiológica, baseada na vida comunitária e Igreja.
  • Quanto a salvação, os Amish crêem no livre-arbítrio, o ser humano tem a capacidade de se arrepender de seus pecados e Deus regenera e ajuda-o a andar em uma vida de regeneração.
  • Os Amish não creem que a conversão para Cristo seja uma experiência emocional de um momento, mas um processo que leva a vida inteira;
  • O que único na Teologia Anabatista, principalmente depois de Menno Simons, é a visão sobre a natureza de Cristo, possui uma doutrina semi-nestoriana, crendo que Jesus Cristo foi concebido miraculosamente pelo Espirito Santo no ventre de Maria, mas não herdou nenhuma parte física dela. Maria, seria portanto um instrumento usado por Deus, para cumprir o Seu plano.
  • A essência do cristianismo consiste em uma adesão prática aos ensinamentos de Cristo.
  • A ética do amor rege todas as relações humanas.
  • Pacifismo total: Cristianismo e violência são incompatíveis.

Uma particularidade interessante desta sociedade é que quando o jovem Amish completa 16 anos acontece Rumspringa, (Nota 2) ou seja,  antes do batismo adulto, o jovem tem o direito de conhecer o mundo externo a sociedade Amish, e após conhece-lo o jovem tem o direito de escolha:

Se ele aceitar ser batizado, oficialmente fará parte da igreja e dos preceitos da sociedade Amish, mas se ele escolher não seguir mais o estilo de vida Amish, ele pode sair do vilarejo e entrar no mundo externo e moderno. Entretanto, a partir deste ponto o jovem é afastado da comunidade Amish permanentemente. Ele pode voltar à comunidade como visitante.

Como a criança é educada sob os ensinamentos da Ordem durante toda a infância, sem nenhuma inclinação para essa outra opção, é muito raro ver um jovem que nasceu na comunidade Amish e desistiu de seguí-la.

Existem alguns filmes que retratam a vida Amish, um deles chamado “Amish Grace” inspirado no acontecimento de outubro de 2006 em uma das maiores comunidades Amish no mundo que fica na Pensilvânia (EUA), quando uma chacina dentro de uma escola Amish resultou na morte de cinco crianças entre 6 e 13 anos, além do atirador de 32 anos, que se suicidou.

O atirador era um motorista de caminhão de leite que atendia a comunidade. Fez reféns 10 meninas. No mesmo dia, membros da comunidade visitaram a família de Roberts (o motorista) para dizer que o perdoavam. No enterro das meninas, o avô de uma das vítimas disse às outras crianças: “não devemos odiar aquele homem”.


Notas de referência:

NOTA 1: A Escola de Antioquia foi uma das duas grandes escolas no estudo da exegese bíblica e da teologia durante o final da antiguidade, sendo a outra a Escola catequética de Alexandria. Este grupo ficou conhecido por este nome por que os seus principais defensores moravam na cidade de Antioquia, um das maiores do antigo Império Romano.

NOTA 2: Rumspringa, geralmente se refere a um período da adolescência para alguns Amish, uma subseção do movimento anabatista cristão, que começa aproximadamente aos dezesseis anos de idade e termina quando um jovem escolhe o batismo na igreja ou deixa a comunidade.


Links relacionados:

Amish Country Ohio

The Amish LiveStyle

The Amish Country Indiana

America´s Amish Country Publications

A Pocket Guide of Amish Life


Fontes: Wikis e arquivo pessoal

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus