Winners 2017 Skyscraper Competition…

1

eVolo Magazine is pleased to announce the winners of the 2017 Skyscraper Competition. The Jury selected 3 winners and 22 honorable mentions from 444 projects received. The annual award established in 2006 recognizes visionary ideas for building high- projects that through the novel novel use of technology, materials, programs, aesthetics, and spatial organizations, challenge the way we understand vertical architecture and its relationship with the natural and built environments.

The FIRST PLACE was awarded to Pawel Lipiński and Mateusz Frankowski from Poland for the project Mashambas Skyscraper. The design proposes a modular and scalable skyscraper conceived as an educational center and marketplace for new agricultural communities in sub-Saharan Africa. The design seeks to increase farming opportunities and reduce hunger in these regions.

Vertical Factories in Megacities designed by Tianshu Liu and Linshen Xie from the United States received the SECOND PLACE. The design investigates the benefits of moving factories back to megacities. The proposal calls for a series of alternating architectural layers- factories and recreational areas stacked together to create a vertical structure. Each recreational layer would feed from the waste and resources of these factories.

The recipient of the THIRD PLACE is Javier López-Menchero Ortiz de Salazar from Spain for the project Espiral3500. The project introduces the streets and complexity of the city’s horizontal plane into a spiraling vertical structure.

The 22 honorable mentions include skyscrapers inside giant sequoias, villages embedded and hanging from mountains, automated plug-in cities, iceberg skyscrapers that reverse global warming, and wind harvesting structures among other fascinating projects.

The members of the Jury are: Eric Bunge [principal nArchitects], Manuelle Gautrand [principal Manuelle Gautrand Architecture], Ferda Kolatan [founding director su11], Andrea Morgante [principal Shiro Studio] Marcos Novak [professor and director at transLAB], Yitan Sun [winner 2016 Skyscraper Competition], Boštjan Vuga [principal Sadar+Vuga], and Jianshi Wu [winner 2016 Skyscraper Competition].

The 2017 Skyscraper Competition was made possible with the sponsorship of our media partners and v2com.

Mashambas Skyscraper

First Place
2017 Skyscraper Competition

Pawel Lipiński, Mateusz Frankowski
Poland

Mashamba– Swahili, East Africa
An area of cultivated ground; a plot of land, a small subsistence farm for growing crops and fruit-bearing trees, often including the dwelling of the farmer.

Over the last 30 years, worldwide absolute poverty has fallen sharply (from about 40% to under 20%). But in African countries, the percentage has barely fallen. Still today, over 40% of people living in sub-Saharan Africa live in absolute poverty. More than half of them have something in common: they’re small farmers.

Despite several attempts, the green revolution’s mix of fertilizers, irrigation, and high-yield seeds—which more than doubled global grain production between 1960 and 2000—never blossomed in Africa, because of poor infrastructure, limited markets, weak goverments, and fratricidal civil wars that wracked the postcolonial continent.

The main objective of the project is to bring this green revolution to the poorest people. Giving training, fertilizer, and seeds to the small farmers can give them an opportunity to produce as much produce per acre as huge modern farms. When farmers improve their harvests, they pull themselves out of poverty. They also start producing surplus food for their neighbors. When farmers prosper, they eradicate poverty and hunger in their communities.

Mashambas is a movable educational center, which emerges in the poorest areas of the continent. It provides education, training on agricultural techniques, cheap fertilizers, and modern tools; it also creates a local trading area, which maximizes profits from harvest sales. Agriculture around the building flourishes and the knowledge spreads towards the horizon. The structure is growing as long as the number of participants is rising. When the local community becomes self-sufficient it is transported to other places.

The structure is made with simple modular elements, it makes it easy to construct, deconstruct and transport. Modules placed one on the other create the high-rise, which is a form that takes the smallest as possible amount of space from local farmers.

Today hunger and poverty may be only African matter, but the world’s population will likely reach nine billion by 2050, scientists warn that this would result in global food shortage. Africa’s fertile farmland could not only feed its own growing population, it could also feed the whole world. Read the rest of this entry »

Vertical Factories in Megacietis

Second Place
2017 Skyscraper Competition

Tianshu Liu, Linshen Xie
United States

Bring factories to the city
By 2025, the number of megacities, cities with a population over 10 million people, will grow from 23 to 36, and the population in the top 600 cities in the world will grow by 500 million. In the near future, two-thirds of the world’s population will live in these megacities.

Factories moved to areas outside cities because they were noisy and polluting. But now, many factories are cleaner and could have a new place in the urban environment. Moving them back into the city would provide a higher quality of life, by allowing employees to walk to work rather than commute in cars. Urban factories would be closer to populations of skilled workers, suppliers and technical and research centers.

This is the vision we have for the cities of tomorrow: factories will be dissolved into small pieces and then be stacked together into high-rise vertical factories. By bringing factories back to the city, we can achieve zero CO2 emissions, be energy efficient, and provide higher quality of life to the inhabitants.

Sustainable waste management.
The Philippines’ National Capital Region, Metropolitan Manila, has 14 cities (Las Piñas, Makati, Malabon, Mandaluyong, Manila, Marikina, Muntinlupa, Parañaque, Pasig, Valenzuela, Kalookan, Pasay, Quezon and Taguig) and 3 municipalities (Navotas, San Juan, and Pateros). The region has a population approximately growing at a rate of 4% annually; the increasing population and urbanization of the region results in the creation of more industries and establishments.

Inadequate collection vehicles and lack of disposal sites have contributed to the reduction of waste collection efficiency. The main problem of too much garbage generation will hardly be solved when the solutions are not really targeting the main problem. Each dumpsite can only contain a specific capacity or amount of garbage and when it gets reaches its threshold it eventually becomes non-functional and will be shut down. The Metro Manila Development Authority reacts by searching for alternative location for dumpsites. Metro Manila’s dumpsite problem will never end until local governments are able to drastically reduce their garbage output as mandated by Republic Act 9003.

Metro Manila’s poor drainage system, pollution, and garbage problem might have worsened the effects of the heavy downpour that ‘Ondoy’ brought to the area. Metro Manila city mayors claimed that it was the garbage problem that was a major factor in the heavy flooding caused by Ondoy (Calonzo GMA News, 2009).

Bring nature back to the city
Due to the large population in Manila, a great amount of organic waste is produced daily. This waste will be the resource of the new vertical factory. All the waste will be dumped at the bottom level of the factory, and then they will be transformed into valuable products including water, fertilizer, heat, and electricity. We use these products to create different kinds of natural environment. The landscape is shaped according to the scale and shape of factories. Organic waste then can be turned into new city landscape while factories hide beyond natural surfaces. The main concept of this design is to let people be aware of the truth that the natural environment is a loop, everything you produce will then form the new world. Instead of criticizing the pollution problem we create the most ideal way for people to understand the best interaction between human and nature. Read the rest of this entry »

Espiral 3500

Third Place
2017 Skyscraper Competition

Javier López-Menchero Ortiz de Salazar
Spain

The eastern coast of Spain, containing the most highly populated seafront areas in the country, has suffered an indiscriminate urban expansion. Criteria for construction have erred on the speculative side rather than being the rational consequence of studying the urban needs of the territory.

Espiral3500 is situated in “La Albufera”, an agricultural natural park which has been subjected to speculation based development and expansive growth. Tourism has become the main force of attraction. With it, it has produced an urban sprawl, which has disfigured the landscape. Tourism in the area causes an increase in population density of up to 1000% in some localities, turning them from ghost towns in winter to areas of high most density in summer.

Would a more coherent model have been possible in “La Albufera” given knowledge of its operation?

A model that advocates management of the territory and its demands over selling its most precious good, the land; this is where the typology of the skyscraper becomes relevant as a figure that can absorb most of the anxieties and demands of the population. This element would be capable of seeing to the touristic needs without greatly affecting the natural resources of the territory. The gaps produced by the cyclical nature of tourism in the vertical construction could result in additional maintenance costs. However, the gaps experienced during winter in territories of the extensive model leave a far more devastating scenery behind, producing a total disassembly of most services and urban functions due to reduction of their density.

What type of skyscraper should be introduced?

The successful level repetition skyscraper model of the 20th century must be transformed. To this end, I focus on initial theories on verticality, in which the concept of verticality is seen as the possibility of reproducing and extending all that happens at ground level.

Then, why not place public spaces inside buildings? This tower would no longer be an element where solely private dynamics take place. The Spanish eastern coast city is the quintessential city of public and open spaces. This skyscraper explores the interesting standpoint of introducing the streets and all of the city’s horizontal plane complexity into the vertical realm.

The main investigation of this project is to understand the relationship between and the role played by private and public spaces within the skyscraper. Here, I use a spiral system in which the public spaces (namely the different types of streets) form rings that rest on a structural element. Spaces for private use hang from this structural element. This “inverted street” system allows for an immediate linking of public and private, while allowing for sufficient dissociation to grant desired privacy. Read the rest of this entry »

Honorables Mentions
(ATENÇÃO: Navegação dentro de uma janela)



Veja como foram as edições anteiriores:


E o T.E.B. furou …

2

Muitos se lembrarão do furor que ocorreu anos atrás, quando começou circular nos canais de mídia de todo o mundo um estranho e gigantesco ônibus circulando sobre carros, projeto chinês para enfrentar os congestionamentos, não é?

O então denominado T.E.B (Transit Elevated Bus ) ou ônibus de trânsito elevado, era um novo conceito de ônibus proposto, onde um grande veículo de passageiros se sobrepunha ao tráfego rodoviário, que recebeu outros nomes alternativos, como “straddling bus” ou ônibus túnel adotado pela mídia internacional.

Existia grandes ideias para inclusive um teste para o distrito de Mentougou de Pequim.

É uma constatação que os engarrafamentos da China são lendários e apostavam que os problemas épicos do engarrafamento do país poderiam se tornar coisa do passado se os planos para este ônibus avançasse. A euforia era tanta que afirmavam que o TEB poderia muito bem ser o futuro dos transportes públicos.


Esta apresentação viralizou em todas as mídias em 2016 e ilustrava como funcionaria o T.E.B.


O Transit Elevated Bus (TEB) seria alimentado por eletricidade (ou energia solar) e poderia transportar passageiros acima das pistas de trânsito enquanto os carros se situariam por baixo dele. Com 22 metros de comprimento, 7,8 metros de largura e 4,5 metros de altura era a aposta no modal de transporte que poderia atingir a velocidade de 60km/h.


A apresentação executiva do projeto em 2010


Até um modelo dele estreou na 19ª feira internacional de alta tecnologia da China em Beijing e era uma invenção puramente caseira chinesa, com seu compartimento de passageiros superior e tinha a intenção de aumentar a utilização do espaço rodoviário como transporte público. Com uma capacidade de carga de 1.200 pessoas teria as mesmas funções que o metrô, enquanto seu custo de construção seria inferior a um quinto da construção do trem subterrâneo.

Segundo Bai Zhiming, engenheiro responsável pelo projet, sua construção poderia ser concluída em um ano”, afirmaria. Agendou-se então a construção de um protótipo com operações de teste na cidade de Qinhuangdao, província de Hebei, ao norte da China, para segundo semestre de 2016.


O T.E.B. na feira de alta tecnologia da China em Beijing


Na ocasião a mídia internacional se entregou a elogios para a ideia como por exemplo, Catarine Smith do Huffington Post.

  • “A China pode ter encontrado uma maneira ecológica de economizar dinheiro enquanto alivia o congestionamento nas vias da cidade. Em vez de gastar milhões para ampliar as malhas rodoviárias, a empresa de equipamentos de estacionamento Shenzhen Huashi está desenvolvendo um “Onibus Expresso 3D” que permitirá que carros de menos de 2 metros de altura viajem por baixo do nível superior transportando passageiros confortavelmente. A China apelidou o projeto “Straddling Bus” e o modelo parece um metrô ou um VLT gigante. Tem 4,5 m de altura com dois níveis: os passageiros ficam no nível superior, enquanto outros veículos com menos de 2 m podem passar por baixo. Alimentado por eletricidade e energia solar, o ônibus pode acelerar até 60 km / h carregando entre 1200 a1400 passageiros de cada vez sem bloquear o caminho de outros veículos. Também custa cerca de 500 milhões de yuans para construir o TEB e trilhos de 40 km de extensão para isso, ou seja, apenas 10% do equivalente em metrô. Diz-se que o ônibus pode reduzir os engarrafamentos de 20 a 30%. A idéia é a construção das primeiras 115 milhas de pista iniciais no distrito de Mentougou de Pequim no final de 2010” afirmada a empolgada jornalista.

No entanto, o projeto não foi autorizado pelas autoridades distritais do local porque a tecnologia era considerada muito “imatura” e outros ensaios estavam sujeitos ao desenvolvimento de um conceito para provar que o sistema realmente funcionaria. Mas a empolgação continuava e até do outro lado do mundo, a cidade de Manaus, também avaliou a opção de instalar um destes ônibus nas ruas da cidade.

Vale registrar que a idéia conceitual do TEB foi proposta em 1969 por dois arquitetos americanos, Craig Hodgetts e Lester Walker, como um conceito de transporte público chamado “bos-wash landliner”.

Mais tarde, outra versão foi projetada pela empresa de equipamentos de estacionamento chinesa, a Shenzhen Huashi Future Parking Equipment que ficou conhecido como ônibus expresso 3d à época .

Segundo Youzhou Song, o designer do projeto, disse que teve a ideia quando estava fazendo pesquisas na estrada para os projetos de slots de estacionamento inovadores para bicicletas e carros e foi quem fundou a empresa com vários parceiros em 2009. “Eu via os engarrafamentos e me perguntava se era possível fazer ônibus no alto.”

O designer destacava uma série de questões que vieram com o crescimento econômico explosivo da China. A população urbana da nação expandiu-se rapidamente nas últimas décadas.

O protótipo TED em ação nos 300m de pista feitas para ele numa avenida da cidade

De fato em um relatório na época da Consultoria McKinsey estimara que mais 350 milhões de pessoas – mais do que a população dos Estados Unidos, se deslocaram para as cidades. Mais de 220 cidades terão mais de um milhão de pessoas.

Em comparação, a Europa tinha então 35 cidades desse tipo. Tudo isso causou uma vasta necessidade de infraestrutura urbana, com dizia a McKinsey estimando que 170 novos sistemas de trânsito em massa poderiam ser construídos na China até 2025. Ao mesmo tempo, a crescente afluência provocou a elevação do número de carros e engarrafamentos. A China é o maior poluidor do mundo e as cidades como por exemplo Pequim estariam ansiosas para reduzir as emissões de carbono.

Mas o primeiro protótipo foi construído em Agosto de 2016, e o primeiro ônibus elevado do mundo começou seus testes em Qinhuangdao, na mencionada província de Hebei.

Mas toda a empolgação até então começou a apresentar sinais de cansaço, apesar que outras quatro cidades chinesas, Nanyang, Shenyang, Tianjin e Zhoukou, tinham assinados contratos para projetos-piloto envolvendo a construção de faixas e trilhos de teste a partir de 2016.


O dia que o protótipo foi “inaugurado”.


No entanto, um teste reivindicado do projeto de protótipo foi fortemente criticado naquele agosto de 2016 e o projeto pareceu estar abandonado em dezembro daquele ano e foi descartado em junho de 2017 por conta das preocupações quanto à sua viabilidade. E em julho de 2017, 32 pessoas envolvidas no projeto foram detidas por autoridades chinesas sob suspeita de fraude de investimento.

Como autoridades distritais de Pequim já haviam se pronunciado anos anteriores sobre a imaturidade do projeto, questões simples de implantação ficaram mais clarificadas:

  • Como o ônibus controlaria as mudanças de faixas e de conversões a esquerda ou a direita dos veículos que estariam em baixo do ônibus?
  • Quais cidades teriam vias que circulam apenas veículos de menos de 2 metros ?
  • Os motoristas dos automóveis se sentiriam seguros embaixo daquele enorme veiculo ?
  • E as pontes, passarelas, semáforos de cruzamentos e de pedestres, como ficariam ?
  • e muitos outros obstáculos que existem nas vias teriam que ser removidos …

O que sobrou da epopéia é que o protótipo instalado em agosto de 2016, só saiu do lugar uma vez , ironicamente agora está atrapalhando o trânsito e foi retirado de circulação nos 300m de pista construída para ele. Como se vê, sete anos depois do anúncio do projeto, os chineses tiraram o ônibus suspenso do papel, testaram um protótipo na cidade de Qinhuangdao, e por fim por várias razões entre as quais as listadas acima, constataram que ele não dá certo na prática.

Aqui jaz o TEB, atrapalhando uma das avenidas de Qinhuangdao.

A mídia que outrora havia se rendido a beleza do projeto teve que recuar e a própria CNN afirmara que, o dia da filmagem foi o único em que o TEB realmente saiu do lugar e circulou pelos 300m. Desde então ele está parado na única estação que foi construída, e a área ao seu redor foi isolada para o tráfego comum.

A cidade piloto do teste do TEB teve uma importante via da cidade que perdeu duas faixas e agora sofre com congestionamentos crônicos, tudo por causa do elefante gigantesco sobre trilhos.

As autoridades locais, raivosas com razão, exigiram a retirada do monstrengo do caminho. Enquanto isto os operários fazem consertos no asfalto para reparar os buracos deixados pelos trilhos do TED. Especialistas de todo o mundo todo afirmam que a ideia a princípio inovadora se tornara mesmo perigosa demais para funcionar em cidades reais, principalmente a altura máxima do túnel, que como mencionado impede a circulação de veículos maiores como pequenos caminhões, peruas (Vans), pequenos ônibus, etc., tão comuns e necessários em qualquer cidade.

Não bastasse os aspectos técnicos ainda em 2016, o próprio Daily Mail noticiara que o projeto foi considerado uma fraude pela própria prefeitura de Qinhunangdao, que surpreendentemente relatara não ter sido avisada dos testes. Periódicos da própria China que são controlados pelo regime comunista reforçaram esta tese e a afirmação e acusações de corrupção no método de financiamento coletivo por empreendedores adotado para realizar a execução do projeto.

Desde que se tem notícia do TEB, verificou-se após algum tempo que as as notícias sobre ele começaram a ficar escassas e o que se esperançava de um possível projeto para ajudar a resolver os problemas de trânsito na China, foi abandonado a própria sorte. Sob suspeitas, o governo chinês quer investigar se tudo não passou de uma falcatrua da empresa por trás do projeto.

As autoridades policiais de Beijing estão investigando se o TEB Technology Development não foi apenas criada para arrecadar dinheiro através de seu site oficial, após que 32 pessoas envolvidas com a compra da patente para o ônibus foram presas, acusadas de terem algum tipo de conexão com o esquema que envolvia uma plataforma de financiamento online chamada de Huaying Kailai – cujo responsável é Bai Zhiming, que também é o nome por trás da TEB Technology. O site da empresa embora ainda tenha o domínio está fora do ar (http://en.tebtech.com.cn/)

As lições sempre ficarão, mas o aprendizado técnico confirma que em se tratando de infraestrutura urbana no capítulo de transporte de massa, a busca por alternativas ainda passa pelo caríssimo meio subterrâneo (mêtros) ou sistemas aéreos (Monotrilhos, aerotrens e similares). O modelo chinês pode ter sido apenas mais um nesta busca de melhoria apesar de toda as suspeitas de falcatruas….



Go to Top