Conforme agendado pelas redes, dia 01 de Novembro foi a data para a primeira manifestação pós eleições, com a premissa de alertar para as mazelas que se acumulam em nosso país. Com focos semelhantes, várias correntes da população se reuniram num único tom, um “lava alma”, do grito que está engasgado em todos brasileiros, que ainda sentem um receio de sair às ruas, pelo medo do terror da anarquia orquestrada em manifestações anteriores.

Avenida Paulista tomada, contrariando a informações da imprensa, mais uma vez.

Avenida Paulista tomada, contrariando a informações da imprensa, mais uma vez.

Não foi uma simples manifestação, foi um ato cívico, onde em meio ao manifesto, o hino nacional foi cantado em várias ocasiões, no sentido de resgatar a moralidade cívica deste país, mergulhado num aliciamento comunista de longa data.
A população está por si só; a mídia não posicionou nenhum helicóptero no alto, para mostrar o explendor do ato, não documentou como deveria ser, se limitando a alguns flashes e com estatísticas e fatos distorcidos, para noticiar em seus redutos.
O único helicóptero a acompanhar todo o evento foi o da polícia militar, que aliás, posicionou seus efetivos, não para reprimir, mas para garantir a realização de um direito, sem ser fustigada por delinquentes e subversivos.

A Av. Brigadeiro Luiz Antonio, pouco antes da dispersão de parte dos manifestantes.

A Av. Brigadeiro Luiz Antonio, pouco antes da dispersão de parte dos manifestantes.

Ainda sim por três ocasiões, tentaram tumultuar a mensagem que estava sendo propagada, duas em solo, e uma num dos edifícios residenciais da Av. Paulista, onde em coro os manifestantes o conclamavam a mudar-se para Cuba.
As outras duas ocorrências foram rapidamente diluídas pelos oradores e alguns manifestantes, sem qualquer dano ao evento. Um dos apresentadores do CQC tentou instigar conclusões não apropriadas para a manifestação, e foi também repudiado, mas tem-se a certeza que em seu programa, dará uma versão que lhe interessa e não a que realmente foi a realização do ato cívico.
As imagens a seguir mostram como foi e como se conduziram as pessoas durante o ato, que pretende ser apenas o primeiro de uma estrada difícil.
O conteúdo foi agrupado por três cenários: Concentração no MASP, Passeata pela Av. Paulista, Passeata Av. Brigadeiro Luis Antonio. Este conteúdo e outros estão amplamente documentados pelos próprios participantes, e estão disponíveis apenas nas redes, e não na imprensa normal, que como claramente está, não tem interesse (ou não pode) documentar a verdade dos fatos.

A CONCENTRAÇÃO NO MASP:



A PASSEATA DA AV. PAULISTA



 A PASSEATA DA AV. BRIGADEIRO / IBIRAPUERA:



Já ao final da Av. Brigadeiro Luiz Antonio, uma boa parte dos participantes já tinha se dispersado, ainda sim foi possível encerrar o ato no Parque do Ibirapuera, onde foi encontrado um outro grupo de manifestantes também com um trio elétrico.
Em outras praças brasileiras, também aconteceram estas manifestações, mas ainda precisamos acumular forças, para repetir o que fizemos em Junho de 2013.
Ao contrário do que foi a campanha das diretas, do impeachment de Collor, não teremos a colaboração da imprensa como ocorreu naquelas ocasiões.
Foi um ato cívico, por nós brasileiros que não concordamos com o mergulho sombrio a que o nosso país está sendo direcionado.
Veja, reflita, compare (com que a imprensa disse) e venha “gritar” com todos em futuras manifestações……



Veja também:
Momentos Especiais

passeata 01 11

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus