O evento gerado na Universidade de São Paulo, nestes últimos dias, remetem facilmente aqueles anos 60, onde por influencias de líderes de esquerda radicais, impossibilitados de mudar o rumo da coisas, faziam de estudantes conhecidos com “cabeças ocas”, robôs de manobra politica e de anarquia. E a USP sempre foi “prato cheio” para estes arrebanhamentos, naqueles anos

O estopim atual, motivado por prisão de estudantes consumindo maconha, no campus, pela Força de Segurança da PM, cumprindo a lei e suas funções, motivou a rebelião de alguns estudantes, que como naqueles anos 60 não entendem existir regras e leis vigentes que devam ser cumpridas, e que democracia é liberdade e não libertinagem na concepção mais filosófica que possa existir.

Os atos praticados por esta minoria de pessoas mimadas, e “elitizadas”, usando uma escola pública para fazer badernas e anarquias, bem ao estilo dos anos 60, representam hoje, um porcentual pequeno frente aos milhares de alunos, que preferiram honrar os gastos públicos da universidade e permaneceram em suas aulas e em sua vida acadêmica, reiterando também com voz em tom bem definido que querem a continuidade da Polícia Militar, para garantir a segurança no Campus.

Veja mais imagens da Reintegração de posse da Reitoria pela Polícia Militar

Se esses “estudantes” pretendiam iniciar uma revolução, com suas barbas, roupas vermelhas, livros de Mao em mãos, rostos cobertos, caíram no ridículo como bem escreve Diogo Salles no Jornal da Tarde, Gap Revolution contra o imperialismo.

Seja como for, os atos de depredação, de tumultos e anarquia ficou para que sejam pagos com o dinheiro dos otários que pagam impostos, em mais um desperdício de gastos, que tanto assola este país.

Veja as imagens da Depredação da Reitoria

Se há influências externas nestes “cabeças ocas”,  como partidos, organizações clandestinas, algum sindicato, etc com objetivos políticos, afinal as eleições estão chegando e é preciso “minar” a base atual, não se sabe ainda…

Se não queriam frequentar as aulas para algum outro programa, balada, etc, escolheram o pior método…

Se queriam iniciar uma revolução em favor dos pobres, da justiça social, contra a burguesia imperialista, em favor do “socialismo do século 21”, infelizmente nem de longe são representantes legítimos disto, com seus carrões, roupas de grife, conta bancaria avantajada entre outras facilidades sustentadas pelo cenário de “filhinhos de papai”, tão comentado pela imprensa.

Se queriam 15 minutos de fama, com TV, imprensa, destaques em tudo que é mídia, esgotaram o tempo e o saco de muita gente ! Voltem a vida real, vão estudar, ou melhor vão trabalhar para viver no mundo da maior parte de brasileiros, e parem de usurpar a regalia que tem, de estudar numa Universidade pública de renome.

Se queriam provocar a Polícia para criar cenas de coitadinhos apanhando da “truculenta” opressão, saibam que ela estava ali cumprindo determinação Judicial e o fizeram com a lisura impecável, sem contrapor valores democracia. É bom lerem o curto e preciso recado de Alckmin a respeito disto.

O que mais nos agoniza, é que agora vão se iniciar mais hipocrisias, entidades, políticos ufanistas, comentaristas de TV, outras organizações defensores de coitadinhos, vão dar apoio aos anarquistas e depredadores.

Ensaios e garantias de impunidades aos que poderão serão processados vão tornar-se públicos e reais, afinal no país reina a impunidade até para homicídios, não será difícil para depredadores e anarquistas da ordem pública.

Outros estudantes e entidades serão convencidos a se juntaram em passeatas, greves, e mais tumultos, tal como naqueles anos remotos do século 20, e aí certamente a polícia “truculenta” e “opressora” terá que agir para garantir a ordem pública, mas uma vez realizando suas funções constitucionais, de difícil comprensão para os arruaceiros !

A reitoria num ato de defender a “liberdade democrática” é capaz de perdoar os depredadores, como já aconteceu outras vezes no passado, e romper o contrato com a Secretaria de Segurnaça para tirar os policiais do Campus, deixando os demais alunos, a sociedade e os contribuintes num estado de dolência.

Se acham que fumar maconha é “legal”; Se acham que destruir patrimônio público, é coisa “normal”; Se entendem que fabricar bombas caseiras como molotov, para atacar viaturas e instalações mantidas com impostos da população é “maneiro” ou “cult”, Se acham que posar de libertadores, quando podem estar manipulados por interesses contrários a isso. é uma causa a ser defendida, a minha universidade não é o lugar para vocês.

Digo minha universidade, pois Eu, como milhões de paulistas pagam impostos, principalmente ICMS, de onde elevada participação é tirada, para manter este complexo e grandioso centro de educação e sabedoria. Vocês não representam a honra e o histórico de sucesso desta Universidade!!!

Se não puderem pagar pelos seus atos dissonantes pois seus advogados espremerão nossas frágeis leis e justiça, vou recomendar para algum deputado a criação de um PL para criação da Universidade diferente, para acomodá-los !

Como sempre há esperança. espero que a sociedade civil se mobilize para punir e expurgar este tipo de comportamento de nosso meio civilizado !


Leia também:

Imprensa é agredida por estudantes

Bombas incendiárias encontradas

Globo News video: Coqueteis Molotov encontrados

A direita conservadora resiste na USP

Estudantes da USP pagam fiança e deixam delegacia

USP: o certo, o errado e o espírito totalitário

A revolução dos ‘bichos grilos’ mimados da USP

‘A sociedade paulista está farta de invasões’, diz reitor da USP

Objetos pessoais de funcionários furtados na invasão

A USP dá exemplo para o Brasil seguir

Estudantes da USP protestam contra expulsão de seis alunos


Imagens e fotos do Estado de São Paulo, Portal Estadão e Portal G1

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus