Considere pegar 90% da população de Londres e coloca-las em aproximadamente 340 Km de trens para circulação diária!

É isto que está acontecendo em São Paulo, onde o Metrô e a CPTM, estão transportando diariamente quase 7 milhões de passageiros. (Veja). Junte-se a isto mais de 4 milhões de passageiros transportados diariamente pelos 14.000 ônibus/Trólebus em seus 35 terminais rodoviários, então, estamos deslocando diariamente mais de 1 Nova Iorque.

É possível perceber ainda, se juntarmos ainda mais 6 milhões de automóveis cadastrados e boa parte deles circulando também diariamente, do porque há uma tendência de caos na mobilidade urbana da metrópole.

Depois de grandes erros na estratégia de melhorar a mobilidade, ocorrida principalmente no século passado, onde embora já tivessem obras de Metrô, investiu-se muito em ônibus, corredores exclusivos, que certamente não resolveram o problema sozinho e agravaram a situação de mobilidade e causaram outros impactos ambientais, sentidos gravemente pela população.

Mas nestes primeiros anos do século 21, parece ter surgido uma luz no final do túnel e realmente terem que encarar o tema ferroviário de forma definitiva, apesar de seu custo, como o caminho mais adequado a seguir. O renascimento dos trens, finalmente chegou e os administradores e gestores tem se empenhado firmemente em ampliar, modernizar e investir em novas tecnologias locais ou de fora para num prazo muito próximo dar um fôlego de qualidade na mobilidade urbana de São Paulo.

Muitos investimentos já foram realizados e outros estão programados, e os resultados já tem se mostrado , mas ainda há longo caminho, pois obras desta magnitude são demoradas, e a demanda não dá fôlego em seu crescimento. Um bom acerto político também foi tirar o “dead line” de eventos como Copa do Mundo do caminho, como se estes eventos fossem os mandatários do que precisa ser feito e não as reais exigências da população que já pedem soluções de a muito tempo para muitos problemas.

No centro destas transformações está o programa EXPANSÃO SP conduzido pelo Governo Estadual, iniciado, 4 anos atrás, onde uma das mais críticas premissas era além da expansão do Metrô e sua modernização, a transformação da CPTM (ainda administrando acervo dos entulhos RFFSA e Fepasa), em uma moderna rede ferroviária padrão Metrô, cuja evolução pode ser visto a sequir:

Comercial do EXPANSÃO SP em 2008

Já colhendo resultados em Março de 2010:

A instalação da Multinacional espanhola CAF em Hortolândia, para que junto com a Alstom (ex-Mafersa) e Bombardier Brasil atender a demanda do Expansão SP foi outra ocorrência positiva. (veja o comercial de Fevereiro de 2010):

A entrega de um dos novos trens a CPTM em Março de 2010:

Tanto a CAF como a Alstom e Bombardier tem participado da Fabricação de novos trens, modernização tanto de trens da CPTM como do Metrô (linhas mais antigas – Norte Sul e Leste Oeste), cujo resultado pode ser visto na Galeria de Imagens.

Além disto, reforma e construção de novas estações para ambas Cias., e integração com as outras malhas de transporte da SPTrans e EMTU, compõem toda a transformação da mobilidade em São Paulo, e tornando o Trem a grande revolução de transporte de passageiros em todas suas formas, Metro, Ferrovia, VLTs, Monotrilhos. É o renascimento da Ferrovia no país, tão esquecido e abandonado nas últimas décadas.

Dentro do Expansão SP, também foi firmada a primeira PPP do país em 2006 para construção e operação da Linha 4, que já está operando com várias estações inauguradas e com trens importados da Coreia do Sul, com altíssima tecnologia, sendo uma das mais modernas linhas de Metrô do mundo.

Veja como foi apresentada esta linha em 2009:

Esta linha é de relevante importância pois interliga-se com todas as outras linhas do Metrô e da CPTM, conforme mostra este vídeo de Maio de 2010:

Já em construção a linha Verde inaugurará o uso de monotrilho no país e terá uma interligação com o Expresso Tiradentes que já opera em seu primeiro trecho com a tecnologia VLP: Veja abaixo:

Ao todo, a linha de monotrilho leste terá 24,6 km de extensão, ligando a Estação Vila Prudente ao Hospital de Cidade Tiradentes, com 17 estações. O primeiro trecho, entre Vila Prudente e Oratório, está previsto para 2013. A segunda etapa, até São Mateus, deverá ocorrer em 2014, e a conclusão da linha, até Hospital Cidade Tiradentes, em 2016.

O outro monotrilho será construído na Zona Sul, conforme anunciado:

Hoje as linhas de metrô existentes são mostradas no quadro abaixo:


E as futuras linhas:


No quadro abaixo a situação da CPTM:


Os Investimentos na CPTM e Metrô são mostrados no quadro abaixo:

Além disto o Expresso Guarulhos que vai ligar o Aeroporto de Cumbica a malha ferroviária da Zona Leste e a Estação da Luz está orçada a princípio em R$ 1,2 bilhões para 2014. O Ferroanel Norte para cargas com custo estimado de R$ 1.2 bilhões também para 2014.

Ainda sem custo estimado, o Expresso Jundiaí que será também via PPP, com projeto pela CPTM, e o Monotrilho Zona Sul do Metrô SP

De fato, depois de anos esquecidos, os trens estão na moda e só eles podem reduzir o caos de mobilidade em São Paulo, e os atuais gestores estão acreditando nisto e a população já sentindo os efeitos, será beneficiada nos próximos anos, independente de Copa, Olimpíada e até da Expo Mundial 2020, caso venha. Portanto São Paulo trem solução, São Paulo trem jeito, e já está acontecendo.

 

Em breve estará assim:


Galeria de imagens:

Artigos, links e vídeos associados:


 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus