Tem sido recorrente a circulação pelas redes, pelos e-mails e por outros canais, vídeos mostrando a belíssima canção “My Sweet Lord” uma espécie de canção de elevação, e não há quem não curta e se emocione com o desempenho de George Harrison, ou nas homenagens feitas a ele após sua morte.

Mas esta canção tem um histórico curioso, vivido nas décadas de 70, 80, e 90, pois foi considerada plágio, e arrematou grandes emoções em Tribunais .

Logo após a separação do Beatles, George Harrison lançou ainda em 1970, seu álbum “All things must pass”, seu primeiro disco de carreira solo, que entre outros destaques era o primeiro álbum triplo da história, e ajudou a revelar por completo todo o seu talento, que havia vivido na sombra de Lennon e McCartney na era Beatles.

O disco foi um grande êxito e marcou a história da música, pois havia muita expectativa de como os Beatles sobreviriam com suas carreiras solos, após o fim da banda.

Com todo este sucesso, não demorou muito para aparecer algo para incomodar o momento grandioso de Harrison vivia.

Chegou até ele uma acusação de plagio de uma música de uma Banda de moças do anos 60, conhecida como The Chiffons e seu sucesso “He´s so fine” (1962).

“My Sweet Lord” foi re- lançada em 15 de Janeiro de 1971 e já em 10 de Fevereiro de 1971, a banda The Chifffons já havia protocolado um termo contra Harrison e sua Cias., Apple Records, BMI e Hansen Publications..

A Bright Tunes Music, Cia. proprietária dos direitos da canção He’s so fine, acionou judicialmente G. Harrison por violação de direitos considerando que o cantor tinha copiado muito mais do que apenas o estribilho para compor My Sweet Lord, exigindo 75% dos royalties sobre as vendas desta canção.

Claro de George Harrison negou e caiu numa batalha legal de aproximadamente 5 anos junto ao seu advogado, Allen Klein, (que gerenciou as finanças dos Beatles após a morte de Brian Epstein, apesar da oposição de McCartney, motivo de muita briga na Banda). Numa sessão da corte, Harrison também relatou que a sua inspiração para para compor My Sweet Lord, foi a canção “Oh Happy Day” do grupo The Edwin Hawkins Singers

Mas em 31 de Agosto de 1976, finalmente um juiz declarou Harrison culpado de “plágio subconsciente”

Enquanto a compensação pelos danos e prejuízos ficou de ser determinada pelo Tribunal, Allen Klein, complicou ainda mais o assunto, adquirindo os direitos de “He´s so fine”, a canção plagiada por George Harrison, com o objetivo de receber uma boa indenização do ex-Beatle.

E no dia 19/02/1981, o tribunal decidiu que os danos chegariam a $1,599,987, mas que devido à duplicidade de Klein no caso, Harrison teria só que pagar Klein $587,000 pelos direitos para “He´s so fine” – a quantia que Klein tinha pagado pela canção à Bright Tunes Music.

Anos mais tarde, já na década de 90, Klein comprou a Bright Tunes Music e voltou novamente a carga sobre o assunto impondo uma nova ação por violação, só que desta vez contra seu ex-cliente.

Mas desta vez o Tribunal foi a favor de Harrison, argumentando que na primeira ação de plagio Klein estava do lado do ex-Beatle e desta vez havia de posicionado contra, apenas para obter benefício pessoal.

Harrison, cansado por toda esta situação, que o atormentou por mais de duas décadas, resolveu tomar uma decisão para evitar mais futuros problemas e comprou os diretos de “He´s so fine”.

Compare as edições:

“He´s so fine” com The Chiffons

 

“My sweet Lord” com George Harrison

 

VEJA AQUI UMA ANÁLISE MAIS DETALHADA


O empresário e advogado viria a falecer em Julho de 2009 , aos 77 anos.

Klein, que foi uma das figuras mais importantes do mundo da música na década de 1960, deixou um legado problemático com alguns de seus maiores clientes, sofria do mal de Alzheimer, segundo Bob Merlis, porta-voz de sua empresa, a ABKCO Music & Records.

Conhecido por sua audácia, temperamento e tenacidade em acumular direitos autorais e obter melhores negócios, Klein se tornou famoso ao assinar com os Rolling Stones e os Beatles. Mais tarde, os dois acordos geraram processos e alguns fãs dos Beatles acusam o empresário de ter contribuído para o fim da banda.

Klein foi condenado por fraude fiscal em 1979 e passou dois meses na prisão por não informar lucro com vendas de discos promocionais dos Beatles e outros grupos. Os Rolling Stones ficaram tão furiosos com o empresário que Mick Jagger chegou a brigar com ele no hall de um hotel luxuoso.

A empresa de Klein ainda tem os direitos sobre grande parte das músicas dos Rolling Stones dos anos 60, segundo a Associated Press.


Seja como for,”My Sweet Lord” se tornou uma canção eterna e o seu passado embora turbulento desde seu primeiro lançamento no Album “All things must pass”, deve ainda emocionar gerações.

Após a morte de George, uma grande homenagem dos amigos, ocorreu em 2002 (Concert for George, Royal Albert Hall, Londres).

Presentes, Dhani Harrison, filho de George Paul McCartney, Ringo Starr, Eric Clapton, Billy Preston (Vocal), Ravi Shankar, Tom Petty, Jeff Lynne, Jim Capaldi, Phill Collins, Jools Holland, Albert Lee, Sam Brown, Gary Brooker, Joe Brown, Brian Johnson, Ray Cooper, integrantes do Monty Python e Tom Hanks.

É um dos videos de maior hit e que circula com frequencia ! Uma grande e bela homenagem:


 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus