Não há que negar certa surpresa com os resultados das urnas, e como a imprensa quase toda esquerdista pró PT, aborda o tema e sente o orgasmo do resultado.

Mas fato é, dizem, o resultado do Mensalão não foi considerado pelos eleitores, que segundo os analistas de plantão querem uma renovação não se importando muito com as mazelas e a batata quente que está na mão do STF. Será?

Esperem até ser julgado o “mensalão do PSDB” e verão como a imprensa o tratará para influenciar os eleitores, para 2014, seja para governador, seja para presidente,

Mas o resultado em São Paulo está posto, e pode receber análises tanto boas como ruins. Ficará indefinido apenas o ponto central de observação para um lado ou outro.

A cidade, que tem um orçamento maior que 48bi, tem seu comprometimento na quase totalidade para custeio, e só por esta ótica não dará margem para improvisações e nenhuma aventura que custe dinheiro. Os projetos em andamento, já estão licitados e contratados (e pesados contratos no tocante a recisões unilaterais e “ de causas emotivas, populistas, etc”).

O endividamento é alto e embora a cidade esteja bem situada nas agências de risco internacionais, e qualquer risco novo demandará alta “engenharia mental” para fazê-lo. Então só sobra ir com o pires e a chícara ao governo Federal, se quiser implantar todas aquelas “inovações” prometidas na campanha.

Por conta disto, o risco de federalizar São Paulo, que não deu certo em outras ocasiões, com Erundina e a Martaxa pode se tornar mais um drama para a cidade, como foi naquelas gestões, a menos que o Politiburo Central em Brasília tente “inovar” e agir diferente, afinal seu mascote acaba de abocanhar como dizem os petistas “a joia da corôa”.

E se quiser se perpetuar no poder local como o fêz em Brasilia, terá que se lançar ao impossível pois as cobranças começarão no dia 1º de Janeiro sem data para terminar, já que a população paulistana, na mesma velocidade que idolatra, reduz a pó, quem a ela maltrata.

O governo Estadual vai continuar com seus investimentos na cidade, pois como disse já estão contratados e em execução, como os de transporte urbano que superam 50 bi em metrôs, trens, monotrilhos e na integração com a região Metropolitana. Tem relevante participação na Educação e Saúde, com escolas, hospitais etc, , e não será convencido a se aventurar, principalmente tendo um prefeito que não esteja alinhado como era antes, com o próprio Serra e o Kassab.

Restará então ao Haddad provar mesmo que é renovação e buscar recursos além do horizonte sem comprometer a finanças da cidade que como se sabe é de legado altíssimo.

Junte a isto, o fato político de que a ala radical do PT com aqueles famosos xiitas retrógrados aos anos 60 estão sediados na Capital  e membros efetivos da Meca Foro de São Paulo, que certamente tentarão manipular Haddad e a gestão local ganha nas urnas, para no mínimo “misturar as bolas”, e reafirmar que o julgamento do STF é “injusto e político”, e que a resposta foi dadas pelas urnas…

Além disto vão insistir em compor a equipe do novo governo, naquele famoso método de aparelhamento das instituições, que já se tornaram comum no âmbito Federal e em outros Estados, o que seria péssimo para Haddad, pois confirmaria o discurso da oposição e de analistas políticos, de que ele seria uma marionete, a serviço do partido e não das necessidade reais da cidade.

Ainda no campo político, já que a “jóia da corôa” foi conquistada, o Politiburo Central, que almeja 2014 manter–se no poder, terá apenas 2 anos para mostrar serviços, e relevantes serviços mesmo, pois caso contrário será cenário ruim a ser vomitado nas campanhas de 2014, com Haddah à frente empunhando a bandeira da desgraça.

Alguns palcos, poderão favorecer o novo prefeito, se ele não for “abduzido” pelas “forças ocultas”, como se ele conseguir acelerar o Projeto da Nova Luz, a execução da reurbanização do Parque D. Pedro II, na abertura da Copa, e até a Expo Mundial 2020 se a cidade for escolhida no ano que vem, e então ele poderá disputar palanques mais elevados, acampanhado pelos seus “criadores”. De resto os grandes empreendimentos da cidade estão nas mãos do Governo do Estado, com Alckmin, próxima vítima provável do PT e da imprensa vermelha aliada.

Vê-se então que Haddad, terá que ter jogo de cintura, jogo de pernas, jogo de braços, ginga, enfim vai ter que “rebolar” no melhor significado desta expressão para não cair em desgraça e mergulhar cidade em mais um período obscuro de 4 anos.

Coisas do discurso de saúde, educação, etc, etc, são obrigações de qualquer administrador, e portanto não serão sozinhas o ponto primordial do sucesso político que almeja.

Os grandes desafios de Haddad, serão portanto não ser uma marionete na mão do partido, e das lideranças Federais, e fazer uma administração impecável, sem “afundar” as finanças da cidade. Ao contrário de Marta, que recebeu seu apelido de “Martaxa”, já com sua gestão em curso, Haddad já tem no formo seu apelido antes de assumir, que é “Malddad” uma junção de sua coligação, Maluf+Marta+Lula+Chalita+Dilma, que a imprensa e os analistas políticos não alienados já deixaram registrado.

A cidade sobreviverá, como sobreviveu de outras situações semelhantes, dada ao seu poder de regeneração e inovação, mas Haddad terá que mostrar com toda sua inexperiência, que pode comandar e gestionar tantas variáveis e sutilezas da megalópole.

Portanto se cuida Haddad ! Fique esperto, por que 11 milhões estarão de olho em você….


Para ver:

Programa de Governo Haddah (Download)

Programa de Governo Serra (Download)

Repercussão Internacional


Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus