A Internet em sua concepção básica, é formada por pioneiros tantos nos Estados Unidos onde ela nasceu como em outros vários países.

O Brasil entre eles é claro, tem um desses pioneiros, Demi Getschko. Sem ele a Internet no Brasil com certeza teria uma história diferente.

Ele foi o primeiro brasileiro a ter o nome incluído no Hall da Fama da Internet, uma honraria concedida pela Internet Society (ISoc), organização não governamental formada por representantes de todo o mundo com o objetivo de promover a evolução da internet. O mérito de Getschko foi contribuir para que a rede mundial de computadores alcançasse êxito no Brasil durante os seus primórdios.

De nacionalidade italiana (Trieste) é um cientista de computação brasileiro e um dos pioneiros na Internet no Brasil, estando atualmente no cargo de diretor-presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), e representante de notório saber quando o assunto é Internet.

Getschko no CGI em São Paulo

Num sumário de sua história, ele estava à frente do Centro de Processamento de Dados (CPD) da FAPESP em 1991 quando, ele mesmo diz, “pingaram os primeiros pacotinhos da internet” na sede da Fundação no bairro da Lapa, em São Paulo. Era o primeiro contato do país com a novidade que traria inovações em vários aspectos na vida das pessoas e das instituições. Foi ele então um dos responsáveis pela primeira conexão TCP/IP brasileira que ocorreu entre a FAPESP e a Energy Sciences Network (ESNet), nos EUA, por meio do Fermilab (Fermi National Accelerator Laboratory)

Por meio de acordos diretos com a administração das redes norte-americanas acadêmicas, Demi Getschko e a equipe do CPD da FAPESP conseguiram a delegação do domínio .br, que  identifica o código do país nos endereços da web, dos e-mails, etc.

Mas a internet aconteceu primeiro no meio acadêmico, onde Getschko coordenou, ainda como chefe do CPD da FAPESP, a área de operações da Rede Nacional de Pesquisa (RNP) que interligou as principais universidades do país. Ele também ajudou a implementar e a dirigir a famosa rede “Academic Network de São Paulo (ANSP)”, provedora das universidades paulistas. Por participar de todo esse processo, ele esteve na composição do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI) desde setembro de 1995 até hoje. Em 2005, foi convidado para montar e ser o diretor-presidente do NIC.br, entidade que é o braço executivo do CGI e coordena todos os serviços da rede no Brasil. Nos últimos anos, participou ativamente da elaboração do marco civil da internet, aprovado pelo nosso Congresso Nacional recentemente.

Nascido na cidade de Trieste, sua família veio para o Brasil em 1954, quando tinha um ano de idade e era apátrida até se naturalizar em 1976. Na ocasião de seu nascimento (1953) Trieste ainda era zona de ocupação  aliada depois da Segunda Guerra Mundial e por conta disto ele não tinha nenhuma nacionalidade anterior quando sua família decidiu vir para o Brasil. Como ele próprio diz não era italiano e virou brasileiro. Seus pais se naturalizaram antes e só quando ele estava na Poli resolveu acelerar o processo de sua naturalização, já que na época tirar um passaporte com apátrida era um inferno como ele sempre diz.

De carreira exemplar foi engenheiro eletricista formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo em 1975, com mestrado em 1980 e doutorado em 1989 em engenharia pela mesma instituição.

Ainda trabalhou no Centro de Computação Eletrônica (CCE) da USP (1971-1985) e no Centro de Processamento de Dados da FAPESP (1986-1996), na área de tecnologia da Agencia Estado, como professor da Escola Politécnica da USP, e professor Associado da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, onde leciona Arquitetura de Computadores.

Mas ainda dentro dos caminhos nobres que percorreu foi até maio de 2009, membro da diretoria da Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN) pela ccNSO (Country Code Names Support Organization), eleito para o período de 2005-2007 e reeleito para 2007-2009.

É Conselheiro do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) desde 1995 e Diretor-Presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) desde 2006.

Engenheiro Demi Getschko (segundo da direita para a esquerda, na segunda fila) é o primeiro brasileiro a ser incluído no Hall da Fama da Internet. A partir deste momento, o brasileiro está na companhia a personagens centrais para o desenvolvimento da internet, como Tim Berners-Lee, criador da World Wide Web, Vinton Cerf, um dos pais da internet, Linus Torvalds, criador do Linux, Jimmy Wales, fundador da Wikipedia, além do vice-presidente dos EUA, Al Gore. 

Por toda esta trajetória, em abril de 2014, foi homenageado com a indicação ao prêmio Internet Hall of Fame, da Internet Society, na categoria “Global Connectors” e em abril de 2016, recebeu também uma homenagem especial no 1º Prêmio Profissional Digital da ABRADi-SP, pelos anos de contribuição com a internet brasileira. Estas honrarias o fazem ser um dos ilustres brasileiros que inseriram o país no mundo tecnológico e globalizado da Internet.



Links de referencia: