O mundo atual vive nos bastidores com medo dos imprevisíveis ataques terroristas e muitos governos ao redor do mundo tem a preocupação de que os EUA estão espionando as comunicações como parte da “guerra ao terrorismo”, além de distribuir as mais variadas formas de espionagem já vistas. Mas fato é que a inteligência dos EUA em todo o mundo tem roubado segredos durante décadas.

Uma história notável de como os espiões americanos ganharam a Guerra Fria, pode ser vista aqui…

Nos piores dias da Guerra Fria quando U2s espionavam as plantas de bases de mísseis soviéticos em Cuba, bombardeiros nucleares russos sondavam os radares de defesas o EUA e da OTAN, e os agentes secretos atravessavam pela Cortina de Ferro através de Berlim Oriental, a Agência de Inteligência CIA teve a última e audaciosa vantagem.

A CIA tomou conhecimento de muitos dos segredos mais profundos da União Soviética.

Um das operações de espionagem mais prósperas da história de inteligência começou em 1961, quando a CIA analisou os resultados de vigilância rotineira da embaixada soviética em Washington.

Agentes de EUA descobriram que, enquanto quase todo o mundo era restringido de entrar na embaixada soviética, em Washington, um técnico da Xerox poderia vir e ir na sua função de manter as fotocopiadoras dos soviéticos a qualquer hora.

A Xerox tinha revolucionado há pouco o negócio mundial com a invenção de uma copiadora. Papel carbono se tornara repentinamente obsoleto e as cópias Xerox eram perfeitas, abundantes e baratas.

Dentro da embaixada onde funcionários escreviam aqueles caracteres soviéticos, secretários, agentes da KGB, e outros funcionários de repente se viram livres da tarefa tediosa de escrever a mão ordens secretas e mensagens decodificadas do Kremlin além de listas de espiões que operavam na América do Norte e América do Sul.

Tudo era copiado na embaixada soviética na nova máquina de cópias, e claro tudo isto era de valor de inteligência vital para os Estados Unidos. E a CIA sentiu a necessidade de adquirir tudo isto.

A agência se aproximou do vice-presidente da Xerox, John Dessauer para ver se algo pudesse ser desenvolvido para registrar documentos copiados na máquina xerox dos russos Algo que pudesse ser instalado e retirado pelo técnico da Xerox, já que este tinha fácil acesso a Embaixada.

Sr. Dessauer colocou Donald Carey representante do governo norte-americano num grupo dentro da Xerox para dimensionar o custo do projeto. Quatros engenheiros também foram colocados no projeto jurando legalmente segredo. Uma pequena localidade de jogo de boliche foi adquirida perto do Rochester, Nova Iorque próximo a sede da Xerox. Enquanto os guardas monitoravam do lado de fora, dentro um laboratório de pesquisa tornava-se realidade. Um banheiro do local foi transformado em uma câmara escura de fotografia.

O time foi composto por Roy Zoppoth, um engenheiro de desígn de 36 anos que tinha ajudado a desenvolver a Xerox Modelo 914 – a primeira copiadora, igual a que os russos estavam usando na Embaixada:

Douglas Webb, um engenheiro de eletrônica, Kent Hemphill, um engenheiro de ótica, e James Young, um tecnólogo de imagem. E o Sr. Donald Carey era o gerente de programa.

A missão deles: Adquirir cópias das cópias de segredos soviéticos.

Roy Zoppoth sobre parte de uma Xerox 914 a primeira copiadora do mundo, que foi usada em todas as embaixadas soviéticas no mundo inteiro. A máquina era tão complexa que a CIA usou uma máquina fotográfica minúscula projetada por Roy Zoppoth para capturar documentos copiados na máquina pelas embaixadas, usando técnicos da Xerox, que as manipulava diretamente aos olhos de seguranças das embaixadas. Foto de Edit international por cortesia de Roy Zoppoth.

Nenhum documento poderia ser levado para fora , nenhuma transmissão de informação via rádio poderia ser veiculada. A CIA informou ao Sr. Zoppoth e ao grupo que os soviéticos tinham dispositivos para capturar transmissões de rádio sem autorização.

Sr. Zoppoth decidiu que um sistema de cópia fotográfica era mais simples e mais seguro. Ele instalou uma câmara cinematográfica Bell and Howell no interior da grande Xerox 914.

Uma copiadora Xérox 914, modelo de copiadora que capturou durante muitos anos, milhares de documentos secretos para a inteligência norte-americana. Foto Xerox do Brasil

Um circuito de célula fotográfica foi acrescentado à máquina fotográfica que assim gravaria um “frame” a cada vez que a luz de cópia da máquina processasse a varredura no vidro de originais. Um braço suporte (mecânico) foi instalado para a câmera fotográfica e pintada nas mesmas cores das outras centenas de peças dentro da máquina. E com isto poderia ser instalado rapidamente, dentro de um minuto.

Sr. Zoppoth relatando anos depois : “Nós reunimos dois agentes de CIA e lhes ensinamos como remover a máquina fotográfica cheio de imagens em filme (negativos) secretas de qualquer coisa copiada e como substituir uma máquina fotográfica nova de filme virgem. Os agentes ensinaram então para um técnico de Xerox como fazer o mesmo procedimento.”

O trabalho do técnico era quase sempre limpar a máquina na embaixada soviética a cada duas semanas e consertá-la para manter seu melhor desempenho.

“Ele era muito valente porque se ele fosse pego dentro da Embaixada soviética na atividade suspeita, ele teria sido interrogado e teria sido torturado. A CIA nos advertiu que ele nunca sairia vivo do local”, disse Sr. Zoppoth.

“A CIA nos informou que o técnico deveria trocar as máquinas fotográficas, bem sob observação dos olhos de agentes de segurança soviéticos. Isto era possível porque a máquina da Xerox era tão grande e complexa, a ponto que não encontraria qualquer outra pessoa que pudesse suspeitar do que estava ocorrendo.

Uma fotografia secreta feita por Roy Zoppoth que mostra a máquina fotográfica pequena dentro e uma copiadora Xerox 914. Está marcada com um X. Os interiores da copiadora eram tão complexos que facilitava a entrada dos técnicos de Xerox em uma embaixada soviética altamente cuidadosa com seguranças e trocar a máquina fotográfica com filme usado com a de filme virgem tudo debaixo dos olhos de homens de segurança embaixada , que não entendiam nada da complexidade que se apresentava. Foto de Edit international por cortesia de Roy Zoppoth.

 

A máquina fotográfica continha um filme de 50 pés e fotografou centenas de negativos de documentos secretos.

Eles eram muito minúsculos e se pareciam com microficha.

Um dia agentes de CIA invadiram os escritórios secretos do Xerox e capturaram todos os documentos deles do projeto da câmara fotográfica, informando a todos que eles nada sabiam ou tivessem feito parte daquilo. A partir de então a CIA produziria as próprias máquinas fotográficas de espionagem. Roy Zoppoth conseguiu esconder alguns pedaços de tiras de filme secretas mostradas acima. Foto de Ron Laytner, Edit International

Sr. Zoppoth fez várias viagens a Washington. A CIA possuía dúzias de edifícios que tinham inúmeros seminários e laboratórios que se espalhavam ao redor do capital de EUA, afirmava.

“Era igual a filmes de James Bond. Eles estavam desenvolvendo armas novas e secretas, ferramentas e tecnologias. Nós entrávamos em um edifício de “codename” Disneyland East . Uma vez lá dentro eles fechavam todas as portas, bloqueavam os elevadores, limpavam os corredores , enquanto estávamos lá dentro”.

Desenho em impressão azul que Roy Zoppoth patenteou secretamente como “’slit’ camera” que foi usado durante anos em tados as copiadoras Xerox 914 nas embaixadas soviéticas e de aliados. Foto de Edit International

Patente secreta arquivada em 5 de Dezembro de 1967, na plenitude da guerra fria por Roy Zoppoth para a minúscula “Slit câmera”, máquina fotográfica que interceptou e fez cópias de todos os documentos que foram reproduzidos na copiadora Xerox 914 em todas as embaixadas do mundo.
Ele descobriu depois que pelo número de máquinas fotográficas produzidas, que a CIA estava copiando documentos feitos por todas as embaixadas, de aliados e de inimigos. Foto de Edite Internacional.

Haviam 3 tipos de categorias de avaliação de informações da CIA, dizia Sr. Zoppoth: Confidencial, Secret e Top Secret. “Nosso projeto de máquina fotográfica para a Xérox 914 era classificada com “Secret” e todos nós fomos classificados como portador deste tipo de classificação de segurança e fomos monitorados durante semanas pelo FBI.”

A CIA considerou a máquina fotográfica secreta um sucesso tão grande que colocou o mesmo time para projetar uma máquina fotográfica menor para fazer o mesmo trabalho mas para uma copiadora de mesa. Sr. Zoppoth projetou o que ele chamou de “slit camera” e recebeu uma patente secreta nos EUA.

“O projeto tinha tanto êxito que a CIA comprou dúzias destas máquinas fotográficas que foram distribuídos a grupos da CIA esparramados por toda a América, mas sem que se saiba o que estava sendo feito com elas”, afirmava Sr. Zoppoth.

“Nós ouvimos também que elas foram colocados em todas as Embaixadas soviéticas no mundo com grande sucesso, do Egito à Inglaterra. Técnicos da Xerox, treinados pela CIA, obtiveram segredos russos vitais durante anos.

A CIA sediada em Langley, Virgínia enviava agentes de operações passando-se como trabalhadores de Xerox, para instalar máquinas fotográficas secretas em máquinas copiadoras.
A prioridade inicial eram as embaixadas da União Soviética, e depois, embaixadas dos aliados da América e inimigos (não aliados) ao redor do mundo. Foto de Edite Internacional

A embaixada Soviética na 16th street in Washington DC, que depois se tornou a casa do embaixador russo para nos EUA. Foto do Centro de Contra-Inteligência-CIA.

“Um grande número de máquinas fotográficas secretas foram compradas , e percebemos que a CIA as tinha colocado em máquinas copiadoras Xérox em todas as embaixadas de países amigos ou não.”

Um dia um grupo de agentes da CIA entrou em nossos Laboratórios, e de repente, apanhou toda a documentação pertencente à máquina fotográfica secreta, disse o Sr. Zoppoth.

“Eles disseram que eles estariam fabricando e continuariam o projeto por eles. Nos disseram para voltar para nossos trabalhos regulares e esquecer que nós tínhamos conhecimento ou participado do projeto. Eu mantive alguns dos negativos da máquina fotográfica secreta silenciosamente por toda minha vida.”

O projeto continuou até pelo menos 1969, quando uma companhia química nos Estados Unidos tentou colocar uma máquina fotográfica espiã semelhante, numa maquina copiadora concorrente da Xerox e foi pega.

“Depois deste escândalo não sabemos quanto tempo a CIA continuou usando as máquinas fotográficas espiãs ou se eles fecharam a operação temendo que os técnicos de copiadoras fossem capturados. Nosso time percebeu que os russos voltaram a fazer cópias a mão.”

Os edifícios negros da sede da NSA, a Agência de Segurança Nacional que pode escutar quase todos telefonemas do Planeta. Foto de Edite Internacional.

Roy Zoppoth se aposentou na Xerox em 1979 e foi trabalhar na Texas Instruments onde ele foi recomendado pela marinha norte-americana por suas qualificações de trabalho em “earthly stealth technology”.

A CIA e Xerox recusaram fazer comentários sobre a participação de Roy Zoppoth na máquina fotográfica secreta. De sua parte Zoppoth decidiu revelar o projeto da máquina fotográfica secreta porque quis ressaltar a história e uma reflexão da grande vitória da espionagem.

“Eu penso frequentemente na ousadia dos técnicos das copiadoras Xerox e os riscos que correram.

Ele é o homem que ajudou a América a ganhar a Guerra Fria.”


Texto original em Inglês de Ron Laytner – Copyright 2011 – Edit International


Outras Fontes:

Dawn Stover, “Spies in the Xerox Machine,” Popular Science, January, 1997, pp. 68-70.

Michael Dobbs, “Spying Remains Hot Game in Post-Cold War Washington,” Washington Post, December 24, 1996, p. A4.

Jeffrey T. Richelson, The U.S. Intelligence Community, Third Ed. (Westview, 1995).

Philip Agee, Inside the Company: CIA Diary (Bantam, 1975).

Artigos Relacionados:

22 de Outubro: um importante aniversário !

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus