Ao olhar o que colocamos nas ruas na época do impeachment, é preocupante o povo que foi às ruas neste 26 de março.

Com uma agenda de protesto composta de itens mais graves que o próprio destronamento de Dilma, o povo não compareceu à altura neste domingo. Lista Fechada, ameaças a Lava Jato, reforma da previdência seletiva, um STF e PGR blindadores dos meliantes da republica, um congresso se fechando em sí mesmo, Foro Privilegiado, etc., são causas que justificariam lotar todos os espaços das avenidas e praças deste Brasil para ecoar bem alto a insatisfação com o  rumo desastroso que estamos trilhando.

Bom para a imprensa toda à esquerda, que entrou em êxtase para comemorar o “fracasso” das ruas.   Esta mídia que tem no seu roteiro ignorar os 50 que vão às ruas por Lula e cia., tem como meta desprestigiar qualquer manifestação verde-amarelo que não tenha grande adesão, a ponto de chama-la de manifestação vazia, ou seja a quantidade de pessoas de uma manifestação só ganha destaque quando o protesto não é da esquerda. Nestes quando há, tal dado some das manchetes ou quando mencionam é feito sem destaque, nos rodapés ou nas ultimas linhas.

Se nossos políticos já tem o péssimo hábito de fazer-se em causa própria, com a omissão das ruas ficaram livres e soltos para consagrar seus péssimos atos. Os motivos graves que existem deveriam ser força motora para promovermos sucessivas “primaveras árabes” para incomodar e destronar os incautos dos poderes da república.

E pensar que a poucos dias atrás milhões lotaram as ruas durante os dias de carnaval

Que na próxima vez, venhamos a se “empolgar” como já o fizemos em outras manifestações que trouxeram os resultados.



Relembre os outros atos cívicos: